sexta-feira, 16 de maio de 2014

FERNANDO RELVAS – PARA UMA BIOBIBLIOGRAFIA – PUBLICADA NO BDjornal #27 (Maio de 2011)



Dado que se inaugura hoje a exposição de originais de Fernando Relvas no CNBDI – RELVAS E A REVISTA TINTIN – resolvemos republicar aqui a Biobibliografia realizada em 2010/2011, publicada no BDjornal #27, em que o “prato forte” foi a grande entrevista com o autor. Estamos a trabalhar na actualização desta Biobibliografia, porque obviamente Relvas não ficou parado em 2010 e muita coisa falta acrescentar até à sua nova produção NAU NEGRA de que, ao que parece já está pronto o primeiro capítulo.

Capa do BDjornal #27 (Maio de 2011) realizada por Fernando Relvas com o pormenor de uma vinheta da história Li Moonface, que seria editada em livro nesse mesmo ano pela Pedranocharco Publicações 

FERNANDO RELVAS
PARA UMA BIOBIBLIOGRAFIA
Jorge Machado-Dias

João Paulo Cotrim, escreveu na introdução do catálogo da exposição Relvas – À Queima Roupa, organizada pela Bedeteca de Lisboa em 1997, o seguinte: “Há uma sindroma Relvas: o talentoso boémio indisciplinado e irrascível que não consegue cumprir um prazo, acabar uma história, fixar-se num estilo, publicar um álbum. Uma espécie de metáfora da banda desenhada em Portugal, que, com pequenas alterações, vai funcionando como álibi para justificar o Estado das Coisas. Como na maioria das ideias feitas, a parte de verdade senão está morta moribundou-se.

O mito dá jeito, e, de vez em quando, talvez até ao próprio, mas não resiste a uma reflexão.

Vão cumpridos mais de vinte anos de produção profissional (e convém que sejam estas palavras frias de operário) que acumulou uma impressionante quantidade de pranchas, caricaturas, cartoons, tiras cómicas e... personagens que vivem na memória de muita e diferente gente. Alguém pode achar que tamanha produtividade ao longo de tanto tempo se pode encaixar no molde apertado da síndroma Relvas?”

Catorze anos depois deste texto escrito e cumpridos trinta e sete anos de carreira de Relvas, basta ler a cronologia abaixo, muito provavelmente ainda incompleta, para nos apercebermos de que a síndroma indicada por Cotrim, é mais um mito do que outra coisa. Mito esse acalentado em muitas conversas, no típico “diz que disse” português, especialmente alimentadas pela ausência do autor durante quase seis anos, “auto-exilado”, como costumo escrever – firmando conscientemente o mito –, em Zagreb. Até porque o autor, no tal “auto-exílio”, perante a negação sistematicamente picuinhas dos editores portugueses (de periódicos ou de livros), encontrou formas de se publicar, provando que o tal mito é mesmo... um mito!

Senão, vejamos:

Fernando Relvas, Lisboa, 1954. Autor de banda desenhada, cartonista, caricaturista e ilustrador português, autor de storyboards de animação, publicidade e de ilustrações de livros escolares e infantis.

1975

Jan. – Participa no Jornal/Fanzine O Estripador, director Duarte Boavida, com Melo Relvas (Relvas assinava assim), Delfim Miranda e Bruno Scoriels. Diz Fernando Relvas: “O Estripador não se considerava um fanzine, mas um jornal, talvez aquilo que muito mais tarde o Julio Pinto classificaria como um "calhário", e que não passou do número 0, que foi feito em 1974 mas só saiu em Janeiro de 1975 (problemas de gráficas), levávamos a coisa a sério n’O Estripador, cheguei a ir fazer reportagem a comícios e tudo, já em 75, que nunca foram aproveitados para o número 1. Mas em boa verdade, 1974 foi o ano em que produzi a primeira coisa organizada”.


Dez. – Realiza e produz o fanzine O Gorgulho nº1 e, em Jan. de 1976, o nº2.


1976

Abr./Nov. – No jornal Gazeta da Semana: Chico. Alguns dos cartoon e bandas publicadas na "Gazeta da Semana" deram, no final dos anos 70, lugar a um livro, editado pela Água Mole, Sociedade Cooperativa, SCARL, designado "Gazeta do cartoon - de Zé d'Almeida / Gazeta da banda - de Fernando Relvas". A capa da "Gazeta da banda" era simultâneamente contracapa da "Gazeta do cartoon", ou vice-versa.

1977

Na revista Fungagá da Bicharada, de Júlio Isidro, publica Uki, o Pequeno Esquimó, Espaço 99 1/2 e Chin Lung, o Justiceiro do Rio Amarelo.

1979

Revista Tintin O Espião Acácio.


1980

Fev. – Na revista Mundo de Aventuras, nº 332 (2ª fase), em separata: O Controlador Louco (11 pranchas + capa da revista).

Set. – Revista Mundo de Aventuras, nº 362 (2ª fase): O Povo de Ferro (1 prancha).

Revista Tintin – Viagem ao Centro da Terra.

Revista Tintin Rosa Delta Sem Saída.

Compilação das histórias publicadas na revista Tintin (Polvo, Novembro 2013)

1981
Revista Tintin L123.

L123 SEGUIDO DE CEVADILHA SPEED (compilação editada pesa Associação do Salão Internacional de BD do Porto, Fevreiro de 1999)

Revista Tintin Cevadilha Speed.

1981/83

Revista Pão ComManteiga: Os Planetas Mostram-lhe o Misterioso Mundo da Astrologia.

1982

Revista Tintin Slow Motion.

Última colaboração na revista Tintin, que entretanto deixou de se publicar, com Kriz 3.

Início da colaboração com o jornal Se7e: Concerto para Oito Infantes e Um Bastardo.

1983

Jornal Se7e Niuiork.

Jornal Se7e Sabina.

Jornal Se7e Ai, Este Chavalo Seria Tão Barilo Se...

1984

Jornal Se7eHerbie de Best.

Jornal Se7e Sangue Violeta.

Compilação editada pela Elpep, Maio 2012

Jornal Se7e Tax Diver.

Jornal Se7e Karlos Starkiller.

Jun. – Revista O Mosquito nº 2 (5ª série): história de 4 páginas com capa – Vast. Inclui entrevista de Geraldes Lino com o autor. Nessa entrevista ficou a saber-se que Relvas havia sido convidado, durante o Festival de Angoulême desse ano, por Jean-Pierre Dionet (co-fundador da mítica revista Metal Hurlant, com Moebius e Druilet), para colaborar na Metal Hurlant Aventure. Mas esta revista acabaria por deixar de ser editada, pelo que não chegou a haver colaboração alguma.

1985

Participou no Cadavre Exquis As Fantásticas Aventuras de Godofredo Leitefresco feita no programa da RTP “Arroz Doce”, de Júlio Isidro, que reuniu diversos autores da BD portuguesa da altura, tais como Jorge Colombo, Fernando Relvas, Carlos Zíngaro, Pedro Massano, Duart, Pedro Morais, entre outros, para a produção in loco das pranchas, que decorria semanalmente durante o programa. Publicado na revista Pau de Canela, do referido programa.

Publicou também (em datas a descobrir) no jornal desportivo Record, e na publicação ecologista A Urtiga, a série As Cabras de Isaac.

Jornal Se7e A Sombra de Xizhakt Rabin.

1986

Exposição individual no II Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto.

Jornal Se7e Nunca Beijes a Sombra do Teu Destino – primeira história a cores.

Jornal Se7e A Noite das Estrelas / Soviet Sex.

Jornal Se7e O Diabo à Beira da Piscina.

1987

Jornal Se7e O Mistério da Travessa dos Meninos de Deus.

Jornal Se7e El Papagaio. Esta história foi iniciada com o título A Costa do Marisco – mas, esclarece o autor: “o Papagaio tornou-se independente e substituiu definitivamente A Costa... logo nas semanas a seguir, por isso considero só o Papagaio”.

Jornal Se7e A Perversa Sobranceria do Hermetismo no Saber.

1988

Jornal Se7e O Atraente Estranho, que inclui A Missão.

Jornal Se7e O Umbral Luminoso. Diz o autor: “Foi de facto esta a última história começada no Se7e, mas a minha colaboração foi dispensada ao fim de muito pouco tempo, por acordo das partes – ou seja, o novo director do jornal, que alcunhei de Cebolinha e de quem esqueci o nome, e eu chegámos à conclusão que já estávamos fartos um do outro, eu fiquei no desemprego e a história ficou-se pelo início, em parte ainda veio a influenciar a criação do Pela Honra da Nossa Prima, storyboard de animação apresentado a concurso de curtas do ICAM em 2002, e que mais tarde, em Maio de 2009, traduzida para inglês como Guncina at the Stake, foi posta no blog.”

1989

Revista Sábado O Rei dos Búzios, cuja publicação seria interrompida por decisão editorial.

Set. – Exposição Colectiva – BD Portuguesa Hoje. Catálogo editado pelo Comicarte, patrocinado pelas Edições Asa no V Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto..

1990

Nov. – No Programa da peça de Teatro “Aos Crocodilos Mete-se-lhes um Pau na Boca” a partir “Le Bouder” de Enzo Corman, no Teatro Nacional D. Maria II: 6 pranchas de banda desenhada.

Ganha o 1º prémio do Concurso “Navegadores Portugueses”, do Centro Nacional de Cultura, com a história Em Desgraça.

1991

Fev. – Revista LX Comics nº 3, com Gulf Stream, 4 pranchas.

1993

Publicação do àlbum, Em Desgraça, pelas Edições Asa. Revista de informação televisiva TV Mais (nesta, talvez em 1993) e revista Ler (1993)


1994

No jornal O Inimigo, de Júlio Pinto – Testos Torres Contra Cara Dread.

Jornal O InimigoCacilda, O Regresso do Hipopótamo.

Out. – É incluído em Exposição colectiva, onde se mostrava a temática dos descobrimentos portugueses na banda desenhada no V Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.

1995

Publicação do àlbum O Nosso Primo em Bruxelas, por edições Livros Horizonte, e que deveria ter sido editado anteriormente pelas edições Asa, que o encomendou em 1993.


Out. – Exposição individual onde apresenta as pranchas de Çufo, no VI Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (foi aqui que eu e o Relvas nos conhecemos). Expõe também estudos e esboços de pranchas para a história A Rainha Jinga, ainda no ambito do apoio do Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, mas que nunca chegou a ser realizada.

Nov. – Revista Quadrado nº 2 (2ª série), da Associação Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto, com Testos Torres Contra Cara Dread (remontada em 4 pranchas) – Episódio de Karlos Starkiller. Com texto de apresentação de João Miguel Lameiras.

Nov. – Exposição individual comemorativa dos vinte anos de carreira, comissariada por Júlio Moreira e lançamento do álbum Çufo, editado pelo Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, no VIII Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto. 


Em fanzine, auto-edição – O Ananás que Ri.

1997

Publicação do àlbum Karlos Starkiller, pelas Edições Baleia Azul/Bedeteca de Lisboa.


Mar. – Relvas, À Queima Roupa. Exposição individual comissariada por João Paulo Cotrim, na Bedeteca de Lisboa. Textos do Catálogo, de João Paulo Cotrim, João Miguel Lameiras, Jorge Colombo e entrevista de Viriato Teles com o autor.

1998

Publicação do álbum, L123, pela Edição da Associação do Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto.

Jan. Exposição colectiva comissariada por João Paulo Cotrim, Carlos Pessoa e Júlio Moreira, Perdidos no Oceano – 17 Autores Portugueses no Festival International de la Bande Dessinée D’angoulême, onde Relvas participa com uma prancha realizada de propósito para esta exposição: Malubambu.

No jornal GrandAmadora – série de cartoons Chez Marreco.

Set./Out. – Exposição individual nos Recreios da Amadora, Relvas: Banda Desenhada.

1999

Por ocasião dos 25 anos da revolução de 1974, participou com uma curta história, Pai, pisa?, na exposição Uma Revolução Desenhada: o 25 de Abril e a BD, organizada pela Bedeteca de Lisboa, pelo Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Publicação de O Rei dos Búzios em CD-rom, editado por Boa Memória – Produções Multimédia, que acompanhou a revista Biblioteca de Setembro de 1999, publicada pela Câmara Municipal de Lisboa. Este CD-ROM inclui uma entrevista ao autor, antigos trabalhos e textos de alguns especialistas, comemorando desta forma 25 anos de carreira do autor.


Conclui, no final do ano, Iva Jau e o Dr. Manga, destinada a ser publicada numa revista portuguesa de banda desenhada. Deveria ter sido publicada em capítulos, à medida que fossem sendo executados, de tal modo que, no início de 2000, deveria ter sido o fim da publicação da história. Contudo a sua publicação foi sendo adiada (provavelmente, diz o autor, devido às cenas eróticas), até que a revista deixou mesmo de se editar em 2002.

2000

Fev. – Incluido na Exposição Colectiva, na Fundação Calouste Gulbenkian – Centro de Arte Moderna: Banda Desenhada Portuguesa Anos 40 – Anos 80 (A Grande Aventura) – Comissariada por João Paiva Boleo e Carlos Bandeiras Pinhero.

Mai. – Incluido na Exposição Colectiva Portugal e a BD: Das Conferências do Casino à Filosofia de Ponta: Panorama Histórico da Banda Desenhada Portuguesa, organizada pela Bedeteca de Lisboa e comissariada por João Paiva Boléo e Carlos Bandeiras Pinheiro, no Centre Belge de la Bande Dessinée, em Bruxelas.

Set. – Na revista Selecções BD, nº23 (2ª série). História “muda” de seis pranchas, tendo como introdução o texto “O Regresso de Fernando Relvas”, de João Miguel Lameiras. Esta história foi realizada para o monumental volume de 2000 páginas de BD, o Comix 2000, que foi a forma encontrada pela editora francesa L'Association de comemorar o seu 10.° aniversário e o novo milénio. Trata-se de um álbum de histórias mudas (a ausência de texto é justificada por razões comerciais, pois deste modo o Comix 2000 é facilmente compreensível em qualquer parte do mundo), feitas por 324 autores de 29 países diferentes, entre os quais os portugueses Filipe Abronches e Mimi, que funciona como um testemunho do século que finda. Relvas foi um dos 12 mil autores de BD contactados e, embora tenha aceite o desafio, a história publicada nas Selecções BD não chegou a ser incluída nessa publicação por ter sido enviada fora do prazo.

2001

Jul./Ago. – No Phylactère, newsletter da Livraria Dr.Kartoon, de Fanny Denayer, republica uma selecção de cartoons anteriormente publicados no GrandAmadora, com o título O Regresso do Marreco, e escreve também alguns textos sobre outros autores de banda desenhada.

Mar/Abr – Exposição individual, Relvas – Desenhos, na Galeria Municipal Artur Bual, Amadora.

2002

Casa-se com a artista plástica Nina Govedarica e partem, em Dezembro de 2003, para Espanha (Málaga), de onde seguem para a Croácia.

2003

Jan. – Na revista Comix nº 5 (e último), da Devir – Jaca, versão restaurada de Concerto para Oito Infantes e Um Bastardo e dividida em duas partes, a segunda parte não chegou a ser publicada devido ao encerramento da revista.

2005

Exposição em conjunto com Nina Govedarica no Samoborski Muzej, Samobor, Croácia, em que participa, entre outras obras, com os originais de Iva Jau e o Dr. Manga.

Exposição colectiva no Espaço Delfim Guimarães, Amadora, em que participa com os originais de Iva Jau e o Dr. Manga.

2006

Depois de ter experimentado publicar várias coisas na internet, criando diversos blogues, como o Peixe Cru que eram, nas palavras do autor uma espécie de blocos de apontamentos e de treino para a escrita. Mas desagradado com os adiamentos de publicação por parte de um jornal português, resolve criar o blogue The Hard Line Approach (http://hardline-approach.blogspot.com), que actualmente não existe, onde publica o material destinado ao referido jornal e outras coisas avulsas.

2007

Em 2006, Relvas fez algumas alterações à história Iva Jau e o Dr. Manga remontou-a, passou o texto para inglês e publicou-a no sistema print-on-demand, no site www.lulu.com com o título Palmyra, onde ainda se encontra à venda.

Publica em print-on-demand em lulu.com o livro Ink Flow. Diz o autor: “Todas as histórias deste livro têm poucas palavras e muita tinta, e foram feitas sem qualquer esboço de preparação ou planeamento. A melhor maneira de olhar para eles é manter as palavras como batida de fundo e seguir o fluxo da tinta. Estes contos fazem parte de uma série de pequenos cadernos cosidos à mão (16,25 cm x 12,5 cm), feitos entre 2001 e 2003. Todos eles pertencem agora a colecionadores particulares. Como o suporte publicado na Lulu é diferente, as histórias foram ligeiramente alteradas. O texto em inglês está, em muitas partes, diferente do original português e a sequência dos desenhos não corresponde exatamente ao conteúdo dos cadernos”.


Publica no sistema print-on-demand, no site www.lulu.com, a sua primeira e até agora única novela, O Urso Vai a Espanha. Diz o autor no seu blogue: “Acabado de escrever em 2005, é a minha primeira experiência no campo da novela. Fui por terreno conhecido, e inspirei-me no ambiente de uma banda desenhada feita cinco anos antes. Quem leu “Palmyra” há-de pelo menos reconhecer duas personagens, os funcionários que perseguem o Urso, frescos e a saltar, dessa vez atrás de Jau. A história tem os mesmos elementos de movimento e rapidez duma banda desenhada. As personagens, para além dos portugueses uma chinesa, um angolano, um croata e um russo, são apenas esboçadas. No centro da história, um simples mas estranho mistério envolvendo um frete marítimo. É para ser lida entre dois pontos de uma viagem. A história, que originalmente se chamava “Trottoir”, foi imaginada ainda em Lisboa mas escrita já depois duma estadia por terras de Andalusia. Daí que “O Urso vai a Espanha” seja uma mistura de argumento de banda desenhada com crónica de viagem”.


Jun./Ago. – Publica a revista Costa, de que sairam apenas dois números, com a história The Green Fish, em três capítulos: The Hanging Man, Gospodin Sofer e Skarpina, que foram publicados em print-on-demand no lulu.com, onde estão à venda, e que depois tiveram lugar num blog de curta duração com o mesmo nome da revista.

2008

Cria outro blogue Chinese Master Spy (http://chinesemasterspy.blogspot.com), que também já não existe, onde inicia como webcomics semanais, as histórias The Chinese Master Spy, The Persian Ambassador e as tiras de Kriks, The Perfect Worker, estas em parceria com Nina Govedarica.

Out. – É incluido na Exposição colectiva Tecnologia e Ficção Científica na BD Portuguesa, no XIX Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.

2010

Publica em print-on-demand em lulu.com as histórias The Chinese Master Spy e The Persian Ambassador, reunidas no livro Li Moonface, que também pode ser lido (em inglês) no yudu.com.

LI MOONFACE - Edição original e a versão portuguesa publicada pela Pedranocharco Publicações em Maio de 2011

O projecto de curta-metragem animada Fado na Noite, de autoria e realização de Fernando Relvas é seleccionado para o apoio à produção no concurso de curtas-metragens de animação de 2010 do ICA (Instituto do Cinema e do Audiovisual). 

Cartaz de Fado na Noite, estreado em Julho de 2012 e exibido no AmadoraBD desse ano

19 Set. Regressa a Lisboa.

20 Set. – Inicia a publicação da webcomic The World of Miss Li, suspenso em Dezembro de 2010, uma vez que o autor decidiu que vai modificar a história e remontá-la.

A evolução do seu trabalho pode ser acompanhada em http://urso-relvas.blogspot.com, para onde o autor transportou grande parte do material publicado nos blogues acima referenciados.
________________________________________________________

Para a elaboração deste esboço bio-bibliografico de Fernando Relvas, contribuiram, obviamente as informações do autor, mas também informações de Leonardo De Sá e de Geraldes Lino.

In BDjornal #27, Maio de 2011

A nova obra de Fernando Relvas Nau Negra, que pode ser seguida AQUI: http://hardline-relvas.blogspot.pt/


Geraldes Lino, Fernando Relvas e o editor deste blogue, no AmadoraBD 2010

Nina Govedraica e Fernando Relvas durante a apresentação do Dicionário Universal da Banda Desenhada, de Leonardo De Sá, no AmadoraBD 2010


______________________________________________________ 

 
Locations of visitors to this page