domingo, 22 de março de 2015

GAZETA DA BD #40 – NA GAZETA DAS CALDAS – PEDRO MASSANO E A BATALHA DE ALJUBARROTA EM BANDA DESENHADA


GAZETA DA BD #40 – NA GAZETA DAS CALDAS
PEDRO MASSANO 
E A BATALHA DE ALJUBARROTA 
EM BANDA DESENHADA 

Gazeta das Caldas, 20 de Março de 2015
Jorge Machado-Dias

O álbum A Batalha – 14 de Agosto de 1385, de Pedro Massano, editado pela Gradiva com o apoio da Fundação Batalha de Aljubarrota, venceu o Prémio de Melhor Desenho, nos Prémios Nacionais de BD do AmadoraBD 2014. Trata-se da excelente reconstituição em banda desenhada da batalha de Aljubarrota, entre portugueses (comandados pelo Mestre de Avis, futuro D.João I e por Nuno Álvares Pereira) e os castelhanos (comandados pelo rei D.Juan I), baseada em textos de Fernão Lopes, Castañeda, Jehan Froissart e do próprio D.Juan de Castela.


Pedro Massano, nascido em Lisboa, em 1948, é jornalista, editor, ilustrador, autor, crítico e divulgador de banda desenhada. È como autor de BD que é mais conhecido do público, tendo iniciado a sua carreira no suplemento Mosca, do Diário de Lisboa, em 1972, assinando então como Mané (de resto, a assinatura nos seus trabalhos teve outras cambiantes, como Pedro ou Manuel Pedro). Esteve associado ao aparecimento da célebre e efémera revista Visão (1975-1976). Seguiram-se colaborações nos mais variados tipos de jornais e revistas. O seu primeiro álbum editado foi A Primeira Aventura no País de João, segundo textos de Maria Alberta Menéres, em 1977, pela Comissão Organizadora do Dia de Camões e das Comunidades Portuguesas, com a impressionante tiragem de 500 mil exemplares, provavelmente uma tiragem sem paralelo neste país. Na década de 1980 realizou alguns trabalhos de BD na área da publicidade e do marketing e na de 1990 abalançou-se no seu próprio projeto editorial, com a PIM (Publicações Ilustradas Multicor), onde esperava editar os seus trabalhos, mas pouco conseguiu publicar.

Já com cerca de uma dúzia de álbuns publicados, viu finalmente editado o primeiro volume de A Conquista de Lisboa, pelo Montepio Geral, que fez uma tiragem destinada à oferta aos seus associados e clientes, episódio que também foi publicado na revista Montepio Juvenil, entre 1997-1999. O segundo volume desta série, Por Vontade de Deus saiu em 2002, sob a chancela da Booktree. Seguiu-se, juntamente com o argumentista Patrick Lizé, um francês que vive em Portugal, o primeiro título da mini-série Le Deuil Impossible (que se pode traduzir por O Luto Impossível), Le Chevalier du Christ, editado em 2001 pela Glénat, que nos dá a conhecer uma curiosa história passada em torno de um homem que aparece em Roma, em 1598, dizendo tratar-se de el-rei D. Sebastião de Portugal...

Pedro Massano é um autor eclético, possuidor de um traço multifacetado, está à vontade tanto com os gags de O Abutre, o policial negro Contacto em Lisboa, os históricos A Conquista de Lisboa e Le Deuil Impossible, ou o traço dinâmico e solto de Manuel, o primeiro episódio de "O Comboio do Ouro", uma BD passada nos Açores durante a Guerra Civil de Espanha, que realizou para a revista Seleções BD (II série). A este propósito, foi o próprio que afirmou "Eu diversifico-me para poder surpreender as pessoas", numa entrevista à mesma revista.

SKETE ROLLER

Le Trésor du Vice-roi (2002)



Sobre A Batalha – 14 de Agosto de 1385, transcrevemos de seguida um pequeno excerto da curta entrevista com Geraldes Lino, que este publicou no seu blogue http://divulgandobd.blogspot.pt/:

“(...) Geraldes Lino – Trata-se de uma obra de grande envergadura. Quantas pranchas fizeste?

Pedro Massano – O número de pranchas desenhadas é de 86.

GL – Lembro-me de ter visto no teu estúdio umas pranchas duplas. Sempre foi possível incluí-las no livro?

PM – Todas as pranchas são duplas. Gosto do efeito de alguns desenhos passarem de uma página para a outra, mesmo que isso possa dar algum trabalho às gráficas e, houve alguém que me disse, um dia, com muita graça, que eu não era capaz de respeitar os quadrados e de deixar os desenhos sossegados lá dentro.
As únicas pranchas singulares são a 1 e a 86.

GL – A obra é completamente tua, incluindo a legendagem e a colorização. Quanto tempo investiste na sua execução?

PM – Demorei cerca de dois meses com o texto, e mais um ano e pouco a desenhar tudo a lápis, para o conjunto poder ser aprovado pelo historiador que, à altura, tinha essa responsabilidade por parte da Fundação, o prof. Mário Barroca.
Para a execução final não me comprometi expressamente com prazos – e isto tenho de agradecer à Fundação – porque sabia e queria que a obra me desse o trabalho que merecia. Demorei cerca de 4 anos (...)”


Pois! Um livro de Banda Desenhada dá um imenso e moroso trabalho a realizar e, em Portugal, muito raramente compensa!

 _______________________________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page