segunda-feira, 23 de maio de 2016

PROGRAMAÇÃO COMPLETA – XII FESTIVAL INTERNACIONAL DE BANDA DESENHADA DE BEJA – PARTE 2 – BIOGRAFIAS DOS AUTORES



PROGRAMAÇÃO COMPLETA
XII FESTIVAL INTERNACIONAL 
DE BANDA DESENHADA DE BEJA
PARTE 2
BIOGRAFIAS DOS AUTORES 

EXPOSIÇÕES NO PAX JULIA – TEATRO MUNICIPAL

DIOGO CARVALHO – Portugal

Diogo Carvalho nasceu em Salreu, Estarreja, em 1979. Passou a sua infância em Pardilhó, no meio de séries de desenhos animados e bandas desenhadas que procurava imitar. Durante o liceu, em Ovar, fez parte do colectivo 9 Gunas. A partir de 2000 participou no fanzine Terminal. Em 2001 participou na antologia Mutate & Survive, e em 2006 no livro 24 Horas de BD por Portugal. No ano seguinte publicou o fanzine Cabo Connection. A partir de 2009 participou na iniciativa Celacanto, da Qual Albatroz. Foi um dos membros fundadores do colectivo R'lyeh Dreams, onde integrou o grupo de artistas representados nos livros Murmúrios das Profundezas (inspirada nas obras de Lovecraft) e Voyager. Publicou ainda no fanzine Venham + 5, em 2010. Em 2014 lançou o livro Obscurum Nocturnus, e em 2015 o livro Free Lance. Participou ainda na publicação digital americana Octal. É professor do 1º Ciclo do Ensino Básico, do 2º Ciclo da disciplina de EVT. Tem trabalhos realizados nas áreas de multimédia, televisão, cinema (tendo já recebido prémios nesta área), teatro e ilustração. Vive com a sua esposa e os seus filhos na vila da Torreira.

EDMOND BAUDOIN – França

Edmond Baudoin nasceu em 1943, em Nice. Deixou a escola aos 16 anos e trabalhou como contabilista num Hotel de Nice. Em 1971 passou a dedicar-se exclusivamente à banda desenhada e ao desenho. Como ele próprio afirmou, a ideia de não poder desenhar todos os dias era-lhe insuportável. A banda desenhada levou-o a trabalhar no campo da dança contemporânea, criando espetáculos com Béatrice Mazalto et Carol Vanni, o que influenciou sobremaneira o seu trabalho. Os seus primeiros passos, no campo da publicação, foram dados para as revistas Circus, Piloye e L’Écho des Savanes. Publicou o seu primeiro livro de banda desenhada em 1981. E depois mais de 50 livros, para além de ilustração para adultos e crianças. Com a banda desenhada percorreu o Mundo, para conferências, exposições, espetáculos, etc.

Embora tenha trabalhado com vários escritores e argumentistas, a maior parte dos seus trabalhos conta com os seus próprios argumentos, tendo criado obras verdadeiramente incontornáveis como Couma Acò (1991), Le Portrait (1997), ou Salade niçoise (2002)… Entre nós tem apenas um livro publicado: A Viagem, publicado pela Levoir. Dono de um traço elegante e espontâneo, Baudoin é comummente apontado como um Mestre da banda desenhada mundial.

EDUARDO RISSO – Argentina

Eduardo Risso nasceu em Leones, em 1959. Os primeiros anos da sua carreira decorreram no país natal, onde desenhou para o jornal La Nación e para as revistas Eroticón e Satiricón. Em 1987 publica a banda desenhada “Parque Chas”, com argumento de Ricardo Barreiro. Ultrapassa então as fronteiras da Argentina para publicar em vários países europeus. O sucesso de Parque Chas levou-o a colaborar novamente com Barreiro em Cain, no ano seguinte. Mas é com Carlos Trillo, com quem iniciou colaboração em 1988, que cria boa parte da sua reputação artística, dando corpo às obras Fulu (1989-1992), Simon: An American Adventure (1994), Vidéo Noire (1994), Boy Vampire (1995), Borderline (1996), etc. Rendida a Europa à sua Arte, Risso virou-se então para o mercado Americano. Depois de alguns trabalhos, cria em 1999 com o argumentista Brian Azzarello a série 100 Bullets: um grande sucesso de que se ocuparia durante vários anos e que lhe deu uma visibilidade enorme. O traço elegante e criativo de Risso levá-lo-ia a ser convidado para desenhar personagens icónicas como Batman, Superman ou Wolverine, entre outras. Neste momento aguarda-se o resultado da colaboração de Risso com Paul Dini, com quem realizou Dark Night: A True Batman Story.

ESTROMPA – Portugal

José João Amaral Estrompa nasceu em Lisboa em 1942, a mesma cidade onde faleceu, em 2014. Estudou Artes Gráficas e Desenho Artístico na Escola António Arroio e trabalhou durante anos em Publicidade e Artes Gráficas. Publicou bandas desenhadas e cartunes em diversas revistas e jornais: DN Semanal, Mosquito, Pão com Manteiga, SelecçõesBD, Tintin, etc.

A sua personagem mais conhecida foi Tornado 1989, uma colagem mordaz e brejeira à personagem Torpedo 36, de Sanchez Abuli e Jordi Bernet (e aos grandes clássicos do cinema policial como Edward G. Robinson, Humphrey Bogart e James Cagney). Tornado 1989 passou pelos fanzines Almada BD Fanzine, Banda, BD & Roll, Boom, Comic Cala-te, Seasons of Glass, Shock, Tertúlia BDzine, mas foi essencialmente no fanzine Shock (e no seu suplemento, o CaféNoPark) que viveu intensamente as suas aventuras (cruzando-se com as famosas subversões da disfuncional Família Darling). As histórias passam-se entre cenários de bairros lisboetas (de uma Lisboa velha e suja mas com Alma) e silhuetas de arranha-céus de New York, com tiros, gangsters, chulos, engates e mulheres da vida à mistura.

MARCELO D’SALETE – Brasil

Marcelo D´Salete nasceu em São Paulo, em 1979. É autor de banda desenhada, ilustrador e professor. Estudou Design Gráfico no Colégio Carlos de Campos e é graduado em Artes Plásticas e Mestre em História da Arte pela Universidade de São Paulo.

Publicou bandas desenhadas nas revistas Contos Bizarros, Front, Graffiti, Quadreca, Stripburger (Eslovénia), Suda Mery k! (Argentina) e + Soma. Algumas em parceria com os argumentistas Bruno Azevêdo, Eddy Gomez e Kiko Dinucci. Publicou também os livros de banda desenhada Noite Luz (Via Lettera, 2008), Encruzilhada (Barba Negra,2011), Cumbe (Veneta, 2014), e Risco (Cachalote, 2014). Cumbe foi também publicado em Portugal, pela Polvo. Marcelo expôs no Brasil, Angola, Espanha e Portugal (AmadoraBD). O seu trabalho pode ser seguido em dsalete.art.br.

PACO ROCA – Espanha

Paco Roca nasceu em 1969 em Valencia. Nos Anos 90 fez bandas desenhadas eróticas para a Kiss Comix, com Rafa Fonteriz, e para a El Vibora, com Juan Aguilera (com o qual criou a série de banda desenhada Road Cartoons, em3D).

A sua primeira obra de fôlego, a solo, foi o livro El juego lúgubre (O Jogo Lúgubre, 2001), em que um dos protagonistas é Salvador Dali. Roca manifestava já aqui uma tendência que o acompanharia sempre: colocar em pano de fundo para as suas histórias acontecimentos históricos relevantes na cultura espanhola. O sucesso deste trabalho levou-o a começar a trabalhar para o mercado francês, onde publicou Hijos de la Alhambra (Filhos do Alhambra, 2003) e El Faro (O Farol, 2004), acerca da Guerra Civil Espanhola. O trabalho de Roca internacionalizava-se. E ganhava uma força enorme, após a edição de Rugas (2007), que ganhou inúmeros prémios, sendo ainda adaptado ao cinema de animação (entre nós foi publicado pela Bertrand). Os trabalhos subsequentes de Roca, como Las Calles de Arena (2009), Emocional World Tour, com Miguel Gallardo (2009), Memorias de un hombre en pijama (2010/2011), El ángel de la retirada, com Serguei Dounovetz (2010), El invierno del dibujante (2010), De Valencia a Cádiz – 1808-1814, com Rafael Marín (2013), Los surcos del azar (2013) e o seu mais recente livro, La casa (2015), consagraram-no como um dos mais importantes autores espanhóis da actualidade.

QUARTO DE JADE – DINIZ CONEFREY & MARIA JOÃO WORM – Portugal

O site Quarto de Jade surgiu da afinidade que Diniz Conefrey e Maria João Worm sentem, apesar de terem expressões gráficas distintas.

A Quarto de Jade ganhou corpo como chancela editorial com a edição do livro Os Animais Domésticos, em 2011, logo após a edição de Electrodomésticos Classificados. Em 2013 editam O Amor Perfeito (um livro que se transforma num objecto, para seguir o ritmo de um pequeno poema) e Os Labirintos da Água (completado pela sequência “A máquina de emaranhar paisagens” com que inicialmente tinha sido pensado.)

Já em 2014, coeditado entre a Quarto de Jade e Pianola Editores, surge O Livro dos Dias (um livro de narrativa gráfica que acompanha a vida de um escriba-pintor no México antigo, até à consciência do ocaso do seu mundo.)

A publicação mais recente da Quarto de Jade, de 2015, é o texto de Jules Renard, “Histórias Naturais”, traduzido do original por Carlos Pombo com ilustrações de Maria João Worm. Este ano sairá um novo título: Meteorologias, de Diniz Conefrey que consiste numa narrativa telúrica abstracta. Em desenvolvimento encontra-se “Planície Pintada”, um trabalho de banda desenhada que se tem vindo a realizar conjuntamente.

SÓNIA OLIVEIRA – Portugal

Sónia Oliveira (Cirandara) é autora de banda desenhada e ilustradora com formação em Arquitectura. Foi durante a sua estadia em Glasgow em 2007/2008 que começou a trabalhar profissionalmente em ilustração tendo desde então trabalhado regularmente com editoras portuguesas como a ASA-Leya, Calendário de Letras e Edições:nelsondematos, principalmente na área da ilustração infantil.

Para além das curtas de banda desenhada de que é autora, tem também colaborado com argumentistas e escritores em diversos projectos editoriais. Foi seleccionada e recebeu prémios em concursos de banda desenhada nacionais e internacionais, tendo publicado em diversos fanzines e revistas europeias. Colabora também com a Ardozia, uma plataforma de desenvolvimento de conteúdos digitais para crianças, com o intuito de criar jogos e aplicações. Em parceria com Reptuno desenvolveu projetos multimédia envolvendo narrativa gráfica e improvisação sonora.

A sua mais recente publicação em banda desenhada foi o livro O Poema Morre (Kingpin Books, 2016), escrito por David Soares. O seu trabalho pode ser acompanhado em www.cirandara.com

TIAGO BAPTISTA – Portugal 

Tiago Baptista nasceu em Leiria, em 1986. Licenciou-se em 2008 em Artes Plásticas na ESAD nas Caldas da Rainha, onde começou a publicar fanzines em 2005.

Ganhou o Prémio Melhor Fanzine do Festival Amadora BD em 2012, com o fanzine Fábricas, baldios, fé e pedras atiradas à lama, co-editado pelo colectivo a9)))) e pela Oficina do Cego.

Tem trabalhos publicados a nível individual no fanzine Cleópatra, e a nível colectivo no fanzine Preto no Branco, ambos da editora Façam fanzines e Cuspam martelos, projecto editorial partilhado com Catarina Domingues. Além da sua participação em fanzines, também participou no livro Zona de Desconforto, publicado pela Chili Com Carne em 2014.

Entre outros trabalhos tem realizado cartazes para a ZDB (Galeria Zé Dos Bois) e tem participado em várias exposições dedicadas à Banda Desenhada e ilustração. Também se dedica à Pintura (ganhou o Prémio Fidelidade Mundial Jovens Pintores, em 2009, e o Prémio Aquisição Amadeo de Souza-Cardoso, em 2015). Em 2013 participou na residência artística da Culturia em Berlim e desde 2010 que está em residência artística na Galeria Zé Dos Bois. Vive e trabalha em Lisboa.

TRUSCINSKI – Polónia

Przemysław Trust Truściński (nascido em 1970) licenciou-se na Faculdade de Artes Gráficas da Academia de Belas Artes Strzemiński em Łódź. Considerado um dos autores de banda desenhada mais relevantes da Polónia, foi um dos fundadores, nos anos 90, da Associação de Artistas Contur, e foi co-organizador do primeiro Festival de Banda Desenhada da Polónia. A arte de Truściński explora criaturas de mundos imaginários, utilizando diversos suportes e técnicas, num universo evocativo e emerso em escuridão, com uma forte carga emocional. Os seus desenhos são extremamente expressivos e criam no público ansiedade e fascínio.

Os seus trabalhos estão compilados em vários livros, tais como Trust: Historia Choroby (Trust: History of Disease), Komiks Wa-wa, com argumentos de Alex Kłoś e Tomasz Kwaśniewski, Najczwartsza RP: Antylista Prezerwatora (The Most Fourth RP: Preserver’s Anti-list), com argumento de Tobiasz Piątkowski, e Tymczasem (Meanwhile), com argumento de Grzegorz Janusz.

O seu livro Meanwhile foi publicado em Inglês, por ocasião da presidência Polaca da EU. A obra de Trust está presente em todas as mais relevantes antologias da banda desenhada polaca, algumas das quais tiveram o seu cunho como director artístico. Criou também o design do protagonista de The Witcher um jogo de computador de Andrez Sapkowski.

Já participou em mais de 100 exposições a nível nacional e internacional, em Angoulême, Berlim, Frankfurt, Gdańsk, Jelenia Góra, Łódź, Moscovo, Paris, Tokyo e Varsóvia. Em 2011 a revista The Archive considerou Trust um dos 200 melhores ilustradores do mundo.

EXPOSIÇÃO NO CONSERVATÓRIO REGIONAL DO BAIXO ALENTEJO

HENRIQUE MAGALHÃES – Brasil

Henrique Magalhães nasceu em 1957 em João Pessoa, estado da Paraíba, Brasil. Em 1975 criou a personagem de banda desenhada Maria, que foi publicada durante vários anos em tiras diárias nos jornais, em revistas próprias e em livros. A tira humorística de caráter político e social também foi publicada no jornal Algarve Região, de Faro, em 1995. Em 2015 a Polvo lançou o livro Seu nome próprio... Maria! Seu apelido, Lisboa!.

Além de autor de banda desenhada, Henrique criou e dirige a editora Marca de Fantasia, focada na publicação de revistas e livros de novos autores, bem como em obras teóricas sobre Banda Desenhada, Comunicação e Artes. São de sua autoria os livros O que é fanzine, publicado pela editora Brasiliense, em 1993; e, pela editora Marca de Fantasia, O rebuliço apaixonante dos fanzines, em 2003; A nova onda dos fanzines, em 2004; A mutação radical dos fanzines, em 2005; e Humor em pílulas: a força criativa das tiras brasileiras, em 2006. No campo académico, Coordena o Grupo de Pesquisa em História em Quadrinhos no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba, onde é professor.

EXPOSIÇÃO NO ESTORIASTANTAS

AVENIDA MARGINAL – Portugal

A terceira edição do Concurso Internacional de Banda Desenhada/Histórias em Quadrinhos Avenida Marginal 2015 é dirigida aos países da CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa. A trienal tem como principais objectivos a divulgação de autores lusófonos, fomentar a formação em BD/HQ, promover a literacia visual e a língua portuguesa numa dinâmica de descentralização cultural.

O Projecto Avenida Marginal procura fortalecer e consolidar as suas ligações com os autores e com as várias instituições que formam uma rede informal que se quer maior e mais activa. O Projecto engloba, actualmente, três componentes essenciais: a organização de um concurso internacional de BD/HQ dirigido aos países da CPLP, trienal caracterizada como um concurso de ‘curtas metragens’ da Arte Sequencial dos Comics em que os autores têm de sintetizar graficamente uma narrativa em apenas uma prancha; a componente editorial, que conta, até à data, com a publicação de dois fanzines de BD e Ilustração; e a terceira componente relacionada com a realização de exposições itinerantes e estratégias curatoriais, contando já com cinco exposições em vários locais do país.

EXPOSIÇÃO NO FARELO

DESENHOS AO CAIR DA TARDE – Alemanha, Bélgica, Brasil, Eslovénia, Espanha, França, Itália, Portugal e Reino Unido.

Entre Abril de 2005, altura em que foi fundada a Bedeteca de Beja e inaugurado o Festival, e Abril de 2016, expuseram em Beja, individual ou colectivamente, mais de 500 autores de cerca de 30 países!

De Portugal, naturalmente, mas também da Alemanha, Angola, Argentina, Bélgica, Brasil, Cabo Verde, Canadá, China, Colômbia, Croácia, Cuba, Escócia, Eslovénia, Espanha, Estados Unidos da América, Finlândia, França, Grécia, Inglaterra, Itália, Noruega, Polónia, Roménia, Sérvia, Suécia, Uruguai, etc.

A exposição que agora se mostra inclui uma pequena parte do acervo da Bedeteca. Este conjunto de desenhos, maioritariamente realizado durante as sessões de autógrafos que têm lugar ao cair da tarde, nos fins-de-semana de inauguração do Festival, mostra bem a diversidade dos autores que nos visitam…

EXPOSIÇÃO NA GALERIA DO DESASSOSSEGO

NUNO SARAIVA – TUDO ISTO É FADO! – Portugal

Nuno Saraiva nasceu em 1969, em Lisboa. É ilustrador, autor de banda desenhada e professor. Tem colaborado praticamente com toda a imprensa escrita portuguesa, com destaque para os semanários Expresso, Público, Record, Sol e Time Out Lisboa.

Lecciona vários workshops nos cursos de Ilustração e Banda Desenhada na escola Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual e MArt.

Dos seus últimos trabalhos destaca-se a ilustração da “Sardinha Maminha”, em 2009, e todo o conjunto das imagens ilustradas para as Festas de Lisboa de 2015 e 2016 promovidas pela EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural.

Destacam-se, também, as bandas desenhadas “Tudo Isto É Fado!”, que constituem a exposição que agora se realiza em Beja. Estas bandas desenhadas, publicadas originalmente na revista Tabu, suplemento do jornal Sol, foram publicadas em livro pela Sol/Egeac/Museu do Fado, em 2015.

EXPOSIÇÃO NA GALERIA DOS ESCUDEIROS

A CASA – Brasil

A Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri é um espaço cultural administrado por crianças que está localizado no estado do Ceará, Região do Cariri. Entre os diversos laboratórios de conteúdo e prática, encontra-se um laboratório-escola de Banda Desenhada, a Casa Grande Editora, que forma roteiristas e desenhistas, com publicações periódicas em banda desenhada e artes gráficas. Para a exposição A Casa, Filipe Alves, 18 anos e Tainara Meneses, 15 anos, embarcaram em duas histórias que contam sobre a participação e protagonismo infantil na instituição. A proposta da exposição é contar a relação das crianças com a Casa Grande, sendo seus personagens inspirados nos meninos e meninas da Fundação, com desenhos livres e pintura à mão.

A pesquisa foi baseada em entrevistas com crianças que participam da Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. O roteiro de diálogos foi escrito fundamentado na observação da dinâmica cotidiana, de forma a transparecer a filosofia institucional e o comportamento de seus gestores e produtores infanto-juvenis.

Através de uma linguagem infantil, o texto traz as características dos personagens inspirados no cotidiano da meninada da Fundação Casa Grande e suas vivências pelo sertão do Cariri.

EXPOSIÇÕES NO MUSEU REGIONAL DE BEJA

FILIPE MELO & JUAN CAVIA – Portugal/Argentina

Filipe Melo é músico, realizador e autor de banda desenhada. Nascido em Lisboa, começou cedo a estudar piano, Jazz e improvisação. Estudou no Hotclube de Portugal e no Berklee College of Music, em Boston. Conta com mais de 20 discos gravados. Escreveu, produziu e realizou vários projectos de culto: I’ll See You in My Dreams e Um Mundo Catita, a primeira série de ficção da RTP. Realizou ainda videoclips, documentários e publicidades. É o criador da trilogia As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy, com Juan Cavia e Santiago Villa. Actualmente, lecciona na Escola Superior de Música de Lisboa, e preparou um novo livro intitulado Os Vampiros, em colaboração com Juan Cavia.

Juan Cavia nasceu em Buenos Aires. Em pequeno passava horas a copiar os seus livros de banda desenhada preferidos. Depois do ensino secundário, começou a estudar cinema, enquanto trabalhava paralelamente como storyboarder e concept designer para algumas produtoras de publicidade. Trabalhou durante dois anos como assistente de Marcelo Pont (designer de produção e desenhador de banda desenhada) em diversos campos do audiovisual. Actualmente, trabalha como director de arte para cinema e publicidade, e destaca-se a sua participação como set designer no filme El secreto de sus Ojos, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

NOVIDADES DE ANGOLA – Angola

O Estúdio Olindomar é um ateliê de Banda Desenhada. Foi fundado em finais da década de 90 por dois discípulos de Henrique Abranches (Lindomar e Olímpio de Sousa), considerado por muitos como o Pai da Banda Desenhada angolana.

O Estúdio surgiu com o ideal de divulgar a banda desenhada como forma de comunicação artística e cultural, e com o objectivo de promover novos valores em Angola. Outro dos objectivos do Estúdio foi o de proporcionar os melhores produtos encontrados no mercado nacional e internacional para a área da Banda Desenhada, Ilustração, Cartoon, e Desenho Animado.

Além de ter publicado grande parte das revistas e livros de banda desenhada do mercado nacional, o Estúdio também se dedica à formação de banda desenhistas e animadores. Hoje é também um ateliê de soluções e serviços de Banda Desenhada e Desenho Animado. Além deste trabalho, o Estúdio Olindomar ainda organiza o Festival Internacional de Banda Desenhada e Animação Luanda Cartoon, em parceria com o Instituto Camões.

Nesta edição do Festival de Beja, podemos ver o traço de 5 dos artistas que compõem o colectivo: Altino Chindele, Nelo Tumbula, e Tché Gourgel; e Lindomar e Olímpio de Sousa, os fundadores do Estúdio.

EXPOSIÇÕES NO NÚCLEO EXPOSITIVO DA RUA DAS LOJAS

EDUARDO SALAVISA (DESENHO) – Portugal

Eduardo Salavisa nasceu em Lisboa, onde vive e trabalha. Andou pela Escola de Belas Artes de Lisboa onde se licenciou em Design de Equipamento por volta de 1980. Trabalhou em Design Industrial, concebendo algumas peças que depois eram produzidas, em reduzido número, e comercializadas. As que lhe deram mais gozo foram uns brinquedos de madeira. Devido a vários condicionalismos, o design deixou-lhe algumas desilusões, dedicando-se mais à pintura. Fez algumas exposições, de pintura e de desenho, sendo sobretudo o desenho que o interessa pelo seu carácter experimental e por ser mais um processo que um resultado. Por esta razão começou a interessar-se pelos Diários de Viagem, ou Gráficos, pelo registo sistemático do quotidiano, pelo seu carácter lúdico e simultaneamente didáctico. É professor no ensino secundário na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa. Além de fazer o seu próprio Diário, não só em viagem mas quotidianamente, estuda os de outros autores, utilizando-os nas suas aulas e nas de outros professores.

JOÃO CHARRUA (ORIGAMI) – Portugal

João Charrua é um adulto de 35 anos que nasceu na pacata cidade de Beja e que continua com espirito de criança, tal como dizem os seus pais. Mas o melhor é seguir as suas próprias palavras: “Adoro tudo que seja fora do normal, mas aparentemente sou um tipo bastante normal. Sou persistente, o que muitas vezes é confundido com paciente (na verdade a paciência não é um dos meus fortes.) Desde muito novo sempre me interessei pelas artes de uma forma geral e, em especial, pelo desenho, o que me levou uns anos mais tarde a frequentar o agrupamento de artes da Escola Secundária Diogo de Gouveia. Uns anos depois completei o curso de Arquitetura em Lisboa, onde colaborei com diversos arquitectos e ateliês. Actualmente resido em Évora com a minha família. Trabalho por conta própria em conjunto com mais dois colegas no meu ateliê de arquitectura. O Origami surge como uma mera curiosidade que aos poucos se foi tornando num hobbie e que hoje em dia já é um assunto sério. Nos meus tempos livres, quando não estou a dobrar papel, gosto de praticar algum desporto, desenhar e brincar com os meus filhos. Sou apaixonado pela ilustração e por tudo o que tenha a ver com temas como fantasia, fantástico e ficção científica, de onde retiro grande parte da minha inspiração para as minhas peças.”

EXPOSIÇÕES NO NÚCLEO EXPOSITIVO DO LARGO DE SÃO JOÃO

ÁLVARO SANTOS – Portugal

Álvaro Santos nasceu na Parede, em 1970. Licenciou-se em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa. Tem trabalhado profissionalmente na área da Arquitectura, Formação, Ilustração, Ensino e Banda Desenhada... Ilustrou alguns livros escolares e livros infantis e editou banda desenhada em várias publicações. Participou em diversas exposições colectivas de banda desenhada e cartune e recebeu alguns prémios na área do cartune, nomeadamente o Prémio AmadoraCartoon/05 e respectiva exposição de cartunes e banda desenhadas no FIBDA 2005, organizado pela Câmara Municipal de Amadora. Ganhou ainda o Prémio Melhor Álbum de Tiras Humorísticas no Amadora BD 2014 com o álbum No Presépio...

Publicou os seguintes livros de banda desenhada e cartune: As Insustentáveis Incompatibilidades dos Seres (edição de autor); Manual de Posições para Labregos (Pedranocharco, 2006); Sexo, Mentiras e Fotocópias (Pedranocharco, 2007); Balcão Trauma - Vol.1 (Insónia, 2013); No Presépio..., com argumento de José Pinto Carneiro (Insónia, 2013); e Balcão Trauma - Vol.2”, (Insónia, 2015).

GERAL & DERRADÉ – Portugal

O que Geral e Derradé fizeram durante o final do século XX e início do século XXI, ainda que não propositadamente, foi estudar o comportamento das sociedades humanas suburbanas para análise posterior em anos vindouros. Felizmente a crítica autorizada estava atenta e salvo algumas raras excepções, foram rapidamente ignorados oficialmente. É por isso raríssima a referência a qualquer das obras produzidas por esse duo de subversivos sarrafeiros, apesar da quantidade de material produzido, senão vejamos: The BadSummerBoys Fanzine (4 números, 1993-1995); Herpes Labial (número único, 1997); In Prensa (3 números, 1996-1998); slimzines BadSummerBoys Band (7 números, 1997-2009); revista HL Comix (2 números, 2006). Livros: Fúria; Fava!; Pai Natal – um estudo morfológico; A 25 sempre a Abril!...; Há Piores !...; Há Piores !... 2 – Ainda mais profundo; e Há Piores !... 3 - Até ao âmago (Edições Polvo, 1999-2014); BESTOF - Tirado da Prateleira (Calçada das Letras, 2013); Segunda Oportunidade e Edição Extra (Escorpião Azul, 2014-2015); Jornal Regional Notícias de Alverca (1992-2002).

LÚCIO OLIVEIRA – Brasil

Natural de Apucarana, uma cidade pequena no interior do Paraná, Lucio Oliveira sempre se destacou na escola pelo dom que tinha para o desenho. Aos 15 anos já trabalhava para ajudar no sustento da casa. Aos 26 anos iniciou carreira no ramo jornalístico elaborando charges políticas e participando de concursos nacionais de charges. Fã de nomes como Angeli, Glauco e Maurício de Souza, entre outros, depressa se viu na necessidade de criar um personagem. Foi então que surgiu o “Edibar”. Depois de 5 anos a publicar o seu trabalho num jornal local, e no meio de uma crise de identidade, Lucio resolveu ir viver para Inglaterra, fazendo uma pausa na sua carreira. Passados 2 anos voltou ao Brasil e ao meio jornalístico, decidindo desengavetar o personagem “Edibar”.

Com ele, lançou dois livros com coletânea de tiras, contando com editoras de renome como a HQM e a Super News. Além de várias colaborações com diversos artistas e da participação em salões de humor, Lucio conta também com uma indicação ao Troféu HQMIX 2015 na categoria Web Tiras.

Lucio Oliveira tem 42 anos e é casado com Ana Gisele França, sua parceira na vida e no trabalho. Têm 3 filhos e residem em Natal, capital do Rio Grande do Norte. O seu trabalho é publicado diariamente em mais de uma dezena de jornais espalhados pelo Brasil e é sucesso absoluto na internet, onde não tem fronteiras.

_______________________________________________________




 
Locations of visitors to this page