quarta-feira, 2 de agosto de 2017

BDpress #479 – A MINHA CASA NÃO TEM DENTRO DE ANTÓNIO JORGE GONÇALVES

BDpress #479 – Recortes de imprensa sobre BD
Criado em Janeiro de 2004 como fanzine impresso até ao #15, em Março 2005, passando depois a ser editado no Kuentro

A MINHA CASA NÃO TEM DENTRO 
DE ANTÓNIO JORGE GONÇALVES


Recebi este livro em Janeiro deste ano, enviado por João Paulo Cotrim, editor da Abysmo, ao qual quero agradecer agora e publicamente, por me ter enviado este A Minha Casa não tem Dentro de António Jorge Gonçalves. Deixo aqui o recorte do artigo do João Ramalho Santos, no JL, sobre o livro.

JL 10 a 23 de Maio de 2017

DOR
João Ramalho Santos

Classificar o trabalho de António Jorge Gonçalves (AJG) como "inclassificável" é uma opção possível, mas fácil. Em banda desenhada, ilustração, cartoon, cenografia ou performance há sempre uma componente temporal, um movimento que sugere percursos, não necessariamente uma narrativa. É certo que obras iniciais como As aventuras de Filipe Seems (argumentos de Nuno Artur Silva) tinham uma matriz de BD franco-belga afiliada à retoma contemporânea da "linha clara", que se foi desvanecendo (em termos de história e estilo) no último volume da trilogia, nas colaborações com Rui Zink (A arte suprema, Rei), e em trabalhos a solo, como O Sr. Abflio, Subway Life, ou o mais recente A minha casa não tem dentro (abysmo).

Resultado indireto de um problema de saúde grave do qual o autor recuperou, mas que implicou uma intervenção cirúrgica complexa e uma convalescença longa, é importante dizer desde logo que, apesar de toda a atenção que (muito justamente) foi dada a este notável livro e à história da sua génese, A minha casa não tem dentro merece ser encarado de um modo "neutral", no sentido em que o trabalho de AJG tem um poder evocativo, entre a maravilha e o medo, que transcende qualquer contextualização. Até porque, e apesar da tonalidade que este adjetivo em particular sempre carrega consigo, esta é uma obra acessível, certamente mais do que outros livros do autor, incluindo colaborações com argumentistas. Pode não o parecer a uma primeira vista/leitura, mas as palavras e imagens constroem, não bem uma narrativa, mas um conjunto evolutivo de momentos ou estados de espírito, sendo de destacar o uso de cor e sombra.

O livro não mistura palavras e desenhos, umas e outros fazem o seu caminho, com as palavras (obedientemente em quadradinhos) a resumirem memórias de diferentes instantes, e a balizarem conjuntos temáticos de imagens mudas de traço grosso, onde a cor promove acentos de azul e vermelho, a princípio separados, mais tarde juntos ou fundidos. O simbolismo é aqui para quem o quiser apanhar; e, depois de urna capa que não o parece, o próprio autor faz um aviso eloquente logo no início: cada leitor interpreta por sua conta e risco. Entre representações de caos organizado sobressaem alterações de escala, personagens sem rosto, e uma menina protagonista (?) que deambula num cenário feito de formas geométricas, pormenores de habitações mutadas, cenas mitológicas ou espetáculos circenses. A menina exerce apenas uma natural curiosidade, ou está à beira de se perder em perigos insuspeitos? As mãos que tudo apontam querem proteger ou esmagar? As multidões sem rosto representam um comentário irónico às típicas fotografias de família espalhadas pela casa, ou são um sinal de desagregação e perda de memória? O autor escolhe aspetos do familiar, e distorce-os numa visão febril onde se sentem evocações de isolamento, medo, dor, esperança. No final compreensivelmente otimista de A minha casa não tem dentro as figuras humanas surgem com caras concretas, as portas abrem-se para um branco que esperamos seja luz. (Sobre) vive-se, vence-se a dor, passa-se outro limiar. 

Como, noutro registo, Diniz Conefrey, António Jorge Gonçalves parte de uma matriz com elementos e convenções da banda desenhada, adaptando-os a um ritmo que é apenas seu. Convidando cada leitor a fazer o mesmo. 

Sem pedir explicações, nem oferecer as suas em troca.



________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page