sexta-feira, 28 de outubro de 2011

BDjornal' ou BDjornaleco #1 - SAI AMANHÃ NO AMADORA BD UMA VERSÃO INTERCALAR DO BDj + O 1º SALÃO DO BRINQUEDO DE LISBOA

BDjornal (com apóstrofo) OU SIMPLESMENTE Bdjornaleco  
UMA VERSÃO APERIÓDICA E INTERCALAR DO BDjornal 
PARA JÁ NO APOIO AO AUTOR BRASILEIRO SPACCA
 SAI AMANHÃ NO AMADORA BD...


Começou por ser um BDjornal com apóstrofo. Mas alguém lhe chamou Bdjornaleco e, pensamos que o nome assim é mais divertido. Sairá amanhã no Amadora BD o primeiro número, de apoio ao autor brasileiro Spacca, que vem ao Festival sem qualquer livro seu editado em Portugal, para... dar autógrafos. Daí que tenha surgido a ideia de fazer uma publicação deste género, com material dedicado a este autor, publicada no BDjornal #23, de 2008, onde o autor poderá dar autógrafos com um pouco mais de dignidade. Tem oito páginas e estará à venda por 80 cêntimos (€ 0,80) no stand Pedranocharco. Leiam, por favor o editorial... e leiam também, mais abaixo, o anúncio do 1º Festival do Brinquedo em Lisboa - Brinquedos Antigos e de Colecção, que começa amanhã, dia 29.

EDITORIAL

Este é um BDjornal apostrofado. Ou seja, o apóstrofo significa que é em formato reduzido, pretendendo ser uma revisitação da primeira fase desta publicação, quando era, pelo seu formato e orientação editorial, um verdadeiro jornal sobre banda desenhada. Agora é uma revista, com matérias mais “pesadas” e talvez com outro público, mas pensamos que se impõe que haja uma versão mais ágil, para de vez em quando se poderem abordar assuntos que nos pareçam prementes. Daí termos aproveitado a visita de Spacca, para esta primeira edição, como experiência.

No entanto, não é este o verdadeiro objectivo da coisa. O número 2 deste BDjornal apostrofado, sairá no próximo dia 5 de Novembro, debruçando-se sobre uma questão muito mais premente e que carece absolutamente de discussão: o próprio Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.

Aí, vamos querer questionar o público do Amadora BD. Vamos tentar perceber se este tipo de Festival é do agrado de toda a gente ou não e quais as propostas que poderiam chegar desse mesmo público Gostaríamos de encontrar soluções para que este Festival, que percebemos estar a decair de ano para ano e que é demasiado importante para todos nós, não se afunde também, a pretexto de uma crise que, para a Banda Desenhada em Portugal, não começou só agora, com aquela outra que nos começa a avassalar no dia a dia, sonegando-nos um modo de vida a que, se calhar, estávamos mal habituados.

E talvez até o Amadora BD tenha estado, durante os últimos anos, mal habituado, exibindo uma versão “novo rico” daquela, mais simples e talvez mais eficaz, a que nos habituámos na saudosa e velha Fábrica da Cultura.
 
Mas falemos por ora de Spacca, o autor visitante brasileiro, que nos cai “na sopa”, sem qualquer livro editado em Portugal, apesar de termos ouvido e lido, sobre um livro que deveria ter sido, obrigatoriamente editado por cá, o D. João Carioca – A Corte Portuguesa Chega ao Brasil (1808-1821).

Entendemos que não é saudável, para um Festival de banda desenhada, o convite a autores sem livros editados em Portugal e praticamente desconhecidos dos bedéfilos portuguêses, neste caso, o brasileiro Spacca. Temos que ser francos e também não achamos muito saudável que nenhum editor português, se tenha abalançado a editar por cá, este D. João Carioca – A Corte Portuguesa Chega ao Brasil (1808-1821).

Mas a questão é que João Spacca de Oliveira, que não tem nada a ver com estas pequenas questões, aterrou em Portugal, neste Amadora BD 2011, sem livros para vender e autografar. E só não o conhecem os portugueses que não leram a matéria que sobre ele foi publicada no BDjornal #23.

Daí que tenhamos aproveitado a ocasião, ao lançar este jornaleco, para republicar essa matéria, podendo mesmo servir de base para que Spacca não tenha que dar autógrafos em simples folhas de papel branco.


_____________________________________________________________

1º SALÃO DO BRINQUEDO DE LISBOA
BRINQUEDOS ANTIGOS E DE COLECÇÃO

A nostalgia que nos desperta, a visão de brinquedos que identificamos com a nossa infância, sugere-nos que fomos, nessa fase importantíssima da nossa vida, mais ou menos felizes. Esperemos que num futuro próximo, todas as crianças tenham oportunidade de se tornar adultas e experimentar esta maravilhosa sensação…

Este 1º Salão do Brinquedo de Lisboa foi criado para colmatar a falta de um evento deste tipo (feira de brinquedos antigos e de colecção) no centro de Lisboa e responder ao crescente interesse do coleccionismo de brinquedos antigos. Este tipo de evento não tem fins lucrativos, tem como objectivo a divulgação do tema, reunindo coleccionadores e entusiastas para intercâmbio de peças e conhecimentos. Há um número limitado de mesas disponíveis (que terão que ser reservadas antecipadamente) para os participantes exporem as suas peças, mas todos os visitantes poderão trazer brinquedos que queiram vender ou trocar.

Em paralelo com a feira, vai realizar-se uma bolsa de avaliações, coordenada pelo Engº Arbués Moreira, fundador do Museu do Brinquedo de Sintra. Todos os visitantes podem trazer os seus brinquedos antigos para serem avaliados, sem encargo.

Vai também realizar-se um leilão de beneficência que tem como objectivo angariar fundos a reverter a favor da instituição de solidariedade social “Terra dos Sonhos”. Agradecemos antecipadamente a quem quiser doar peças para o leilão. Alternativamente, quem tiver interesse em vender as suas peças avaliadas, poderá incluí-las no leilão, recebendo o valor final, deduzido da comissão que normalmente uma leiloeira cobraria, sendo que neste caso essa comissão reverte também inteiramente a favor da “Terra dos Sonhos”.

Na prática, as duas iniciativas estão interligadas para facilitar a quem quiser alienar um brinquedo antigo, uma vez que o pode ter avaliado e de seguida vendido num leilão onde potencialmente haverá mais interessados em licitar do que num leilão tradicional, com a vantagem adicional de saber que está a ajudar a “Terra dos Sonhos”.

Para coordenar esta operação de angariação, e animar a festa, contamos com a delegação portuguesa da 501st Legion, grupo de fans Star Wars, vestidos a rigor de personagens “maus” da saga, que certamente irão dar um colorido especial a esta iniciativa. Não se esqueçam de vir munidos de máquina fotográfica ou telemóvel com câmara, pois não é todos os dias que podemos tirar uma foto ao lado de Darth Vader ou de um Stormtrooper !!!!!!!!!

A entrada é livre e contamos com a vossa presença!


___________________________________________________________________


 
Locations of visitors to this page