quinta-feira, 17 de novembro de 2011

BDpress #299: SEDE DA REVISTA “CHARLIE HEBDO” DESTRUÍDA POR TER PUBLICADO CARICATURA DE MAOMÉ NA CAPA – Pedro Cleto no JN


Jornal de Notícias, 3 de Novembro de 2011

SEDE DA REVISTA CHARLIE HEBDO INCENDIADA

ATENTADO É RETALIAÇÃO A UM NÚMERO DA PUBLICAÇÃO SATÍRICA COM MAOMÉ NA CAPA

F. Cleto e Pina

As instalações da revista satírica francesa Charlie Hebdo foram destruídas anteontem de madrugada por um incêndio causado por um cocktail Molotov, previsivelmente lançado por fundamentalistas islâmicos.

O atentado, que surge na sequência das ameaças que a publicação recebeu nos últimos dias, não foi reivindicado e terá sido a resposta ao número 1011 da revista, subintitulado “Charia Hebdo”, ontem posto à venda em França, que trazia na capa o profeta Maomé, “convidado” para o dirigir a propósito da vitória do partido islamista Ennahda nas recentes eleições tunisinas. Na caricatura, o profeta ameaça dar “100 chicotadas a quem não morrer de riso” e no miolo, a par das rubricas habituais, há diversos desenhos e artigos que têm os fanáticos religiosos como alvo.

Na sequência do atentado, os dois andares do edifício ocupados pela publicação ficaram completamente destruídos, bem como todo o equipamento informático. Ao mesmo tempo, o site da revista era vítima de pirataria informática, sendo substituído por uma mensagem integrista islâmica.

Apesar disso, a sobrevivência da revista não deverá estar em causa, uma vez que os seus arquivos em papel e digitais estavam noutro local. Entretanto, diversos jornais franceses ofereceram as suas instalações para alojarem provisoriamente a redacção da “Charlie Hebdo” tendo o presidente da câmara de Paris feito uma proposta no mesmo sentido.

Charb, o desenhador que dirige a revista, embora visivelmente afectado pelo sucedido, afirmou com algum humor: “Nós combatemos os integristas com desenhos, textos e papel… e o papel arde bem.” Na mesma linha, Luz, autor do desenho de Maomé, ironizou: “A primeira vez que um islamista se serve de um cocktail, é para enfiá-lo pela nossa garganta abaixo”.

O primeiro efeito do atentado foi uma corrida aos quiosques, tendo a “Charia Hebdo” esgotado em poucos minutos em muitos pontos de venda.

Surgida em 1970, como consequência da proibição pelo governo francês da “Hara-Kiri Hebdo”, nascida dois anos antes, como fruto dos ventos de mudança introduzidos pelas manifestações de Maio de 1968, a revista “Charlie Hebdo” adoptou desde sempre uma linha satírica, contundente e incómoda, sem poupar temas ou personalidades.

______________________________________________________






___________________________________________________________

Ver também em As Leituras do Pedro

Imagens da responsabilidade do Kuentro

___________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page