sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

ANGOULÊME 2015 – OS TRÊS FINALISTAS PARA O GRANDE PRÉMIO E A HOMENAGEM AO CHARLIE HEBDO


ANGOULÊME 2015

OS TRÊS FINALISTAS
PARA O GRANDE PRÉMIO
E A HOMENAGEM AO CHARLIE HEBDO

Os três finalistas para o Grande Prémio Angoulême 2015 (escolhidos a partir da lista inicial de 26 nomes que divulgámos aqui no Kuentro), que será revelado no próximo Festival Internacional da Banda Desenhada de Angoulême, já são conhecidos: Alan Moore, Katsuhiro Otomo e Hermann Huppen.

Sem surpresas, dois dos finalistas do ano passado, ultrapassados na votação final por Bill Waterson, estão de regresso ao voto final este ano. O argumentista britânico Alan Moore, autor maior e prolifico de Watchmen, V For Vendetta, From Hell ou A Liga dos Cavalheiros Extraordinários, por exemplo, será de novo plebiscitado pelos autores creditados no Festival. Assim como o autor japonês Katsuhiro Otomo, criador incontornável de Akira e igualmente realizador de filmes de animação (a adaptação de Akira, Memórias, Steamboy...).

Alan Moore

Katsuhiro Otomo

O outro finalista desta short list, é Hermann Huppen. Nascido em 1938, este autor belga – que esteve em Portugal nos Salões de BD da Sobreda em 1994, 1996 e 2000, no Festival da Amadora de 2001 e no Festival de BD de Beja de 2010 – trabalhou com Greg desde 1966 na série Bernard Prince e depois em Comanche. De seguida lançou-se nas suas próprias séries em 1977, com Jeremiah, que conta com 33 álbuns, As Torres de Bois-Maury (14 volumes) e diversos one shots, para as colecções Signé, da Lombard e Aire Libre, da Dupuis. Actualmente trabalha com o seu filho Yves Huppen que se tornou argumentista: O Diabo dos Sete Mares, Afrika, The Girl of Ipanema, Manattan Beach 1957, Liens de Sang, Caatinga, Sarajevo-Tango, etc...

Hermann Huppen

 

O vencedor do Grand Prix será conhecido durante o Festival deste ano, que decorre de 29 de Janeiro a 1 de Fevereiro.

Depois do atentado contra o Charlie Hebdo, numerosos autores expressaram o desejo de que o Grand Prix do Festival de Angoulême deste ano fosse atribuído ao jornal. Mas o Festival de preferiu criar um prémio para a liberdade de expressão, em honra da memória dos desenhadores assassinados. Será um prémio a atribuir em todos os Festivais de Angoulême a partir deste ano, para que possa ter ressonância no futuro e não apenas agora. O Festival está em negociações com o Charlie Hebdo para que seja autorizado a usar o nome do jornal como designativo do Prémio.


________________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page