quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

ARISTIDES DE SOUSA MENDES, HERÓI DO HOLOCAUSTO DE JOSÉ RUY EDITADO NOS ESTADOS UNIDOS


ARISTIDES DE SOUSA MENDES
HERÓI DO HOLOCAUSTO 
DE JOSÉ RUY 

EDITADO NOS ESTADOS UNIDOS

Sobre a edição nos EUA de Aristides de Sousa Mendes, Herói do Holocausto, de José Ruy, o autor enviou-nos uma nota, juntamente com o texto da Drª Olivia Mattis – que reproduzimos a seguir – publicado na revista Holocausto:

Recebi agora um artigo que a Dr.ª Olivia Mattis, vice-presidente da «Sousa Mendes Foundation» nos Estados Unidos da América escreveu na revista «Holocausto», sobre a minha BD «Aristides de Sousa Mendes, Herói do Holocausto» que depois da edição em francês para o Canadá tem agora a tradução em inglês da América.

A análise feita por ela é interessante, por isso a envio para si, como curiosidade. Vai realmente ao encontro do trabalho que tenho desenvolvido pelos lugares de ensino e bibliotecas, há trinta anos com resultados idênticos aos apresentados pela Dr.ª Olivia Mattis.

Para facilitar a leitura, junto a tradução para português/Brasil.

O logótipo assinalando os 75 anos do gesto de Sousa Mendes em 1940 foi aproveitado de um desenho meu da história.


José Ruy
__________________________________________________________

  

A Fundação Sousa Mendes, observa Olívia Mattis, se junta a outras organizações memoriais em usar o formato de narrativa gráfica (comics) para apresentar um assunto mais tipicamente ensinado através dos livros de história e testemunhos de sobrevivência. Aqui Mattis apresenta uma breve justificativa para o uso deste meio, juntamente com uma pequena amostra da Fundação, ainda a ser publicado, Aristides de Sousa Mendes, herói do Holocausto, de José Ruy, principal cartunista de Portugal.

Leia com o ensaio de Rafael Medoff em cartunistas que expuseram o Holocausto, pp 65-71:

O HOLOCAUSTO EM BANDA DESENHADA NÃO É MAIS TABOO

Como atingir os jovens? Essa é uma preocupação de todos na comunidade memorial do Holocausto, uma vez que a população de sobreviventes diminui de ano para ano. Com a sua banda desenhada descritiva deste intenso tema – um género introduzido com a publicação de Maus – a Fundação Sousa Mendes junta-se a outras organizações memoriais, como a Casa de Anne Frank, o Instituto Wyman David, e da Fundação Jan Karski Educação.

A tradução para inglês, de Della Peretti, de Aristides de Sousa Mendes, herói do Holocausto, de José Ruy, originalmente publicado em Português e baseada principalmente em escritos de língua Portuguesa do historiador Rui Afonso, reúne detalhes da vida de Sousa Mendes anteriormente indisponíveis em Inglês. É apenas o que Spiegelman (2011) define como uma banda desenhada: "um desenho que chega às essências" (p.168).

O uso de um formato visual é especialmente apropriado para a história Sousa Mendes porque havia vários artistas entre os que receberam vistos portugueses, incluindo, principalmente, Salvador Dali e autores-ilustradores Hans A. e Margret Ray, criadores de Curious George. No entanto, é também adequado e eficaz para a sala de aula?

Jonathan Hennessey, que foi o autor de uma adaptação gráfica da Constituição dos Estados Unidos, aponta que:

O olho humano processa imagens algo como 60 mil vezes mais rápido do que processa o texto. Isso não quer dizer que o texto é posto de parte, mas as imagens são muito poderosas, e poderiam ser poderosas ferramentas de ensino. (Cutler, 2014, p. 1)

Outros educadores oferecem justificativas variadas para o poder potencial de imagens de quadrinhos. Autor comic-books Josh Elder (2014), reconhecendo que muitas vezes "o maior desafio é em primeiro lugar levar os alunos a prestar atenção", acredita que "os quadrinhos são uma maneira de o conseguir" (p.2). Elder, o fundador da Leitura Com Pictures, diz que "os quadrinhos tornam a leitura fácil e divertida", mas reconhecendo que os educadores precisam de uma base pedagógica para usá-los, ele associou o seu último trabalho, uma antologia intitulada Reading Com Fotos: quadrinhos que fazem as crianças mais inteligentes, com o núcleo de Normas Comuns para ilustrar o potencial dos quadrinhos na sala de aula.

De acordo com o educador David Cutler (2014), "Banda desenhada boa não somente desperta o amor precoce pela leitura, mas também ajuda as crianças a compreender conceitos abstratos" (p.2 ). Tracy Edmunds (2014)), um escritor de currículo, acredita que professores precisam de "novas ferramentas, e histórias em quadrinhos podem trazer um ou dois ímpetos com imagens e texto trabalhados juntos" (p.1). A educadora Lisa S. Cohen (2014) escreve: "O mundo visual tem tido impacto cada vez maior na vida dos nossos alunos", e usando romances gráficos em sala de aula "é uma maneira de se conectar as partes inexploradas de suas mentes. "Cohen, que usa romances gráficos mesmo em suas aulas de Colocação Avançada, alega que eles "permitem uma nova abordagem para a dicção imaginação, sintaxe, estrutura e linguagem. " Ela defende pedir aos alunos para encontrar conexões 'escondidas' entre o texto e recursos visuais e descobrir as maneiras em que os recursos visuais interagem uns com os outros ".

A Banda Desenhada “Sousa Mendes”, então, pode encontrar uma variedade de carências em salas de aula diferenciadas de hoje. Destinada a leitores com idades entre 10-15 anos, segue-se a vida do cônsul, começando com sua infância, e viaja pelo mundo, mostrando seus cargos diplomáticos em San Francisco, Brasil, Zanzibar, e na Bélgica. Entrelaçada com a narrativa biográfica é este o contexto histórico, incluindo a ascensão de Hitler, a construção de campos de concentração, e a perseguição aos judeus. O clímax da história – a crise de consciência de Sousa Mendes – é descrito como uma sequência de sonho, duas páginas e meia, com um desfile de campos de concentração desenhadas em escala de cinza, terminando com sua súbita perceção de que o destino dos refugiados judeus descansa com ele. Tomada a sua decisão, ele declara: “Vou emitir vistos para todos, independentemente da nacionalidade, raça ou credo!"

Enquanto lêem, os alunos podem explorar o uso de tempo da sequência de José Ruy, crucial para o entendimento de um arco de história, tais como o flashback versus sequência narrativa; seu uso da cor, como preto e branco, policromada, e escala de cinzentos, necessário para reconhecer o modo e o estilo; e outros aspetos da retórica visual que ajudam a contar uma história, incluindo conceitos de relevância específica para esse género: painel, balão, sombreamento, perspetiva, storyboard, sequência, e tipografia.

Mais amplamente, esta história em quadrinhos pode servir como um complemento para uma unidade em resgate durante o Holocausto, especificamente a situação dos refugiados judeus e as tentativas limitadas e poucas para fornecer refúgio; ou como uma entrada para a história do Holocausto ou na história Portuguesa que envolve a história Sousa Mendes. A banda desenhada de Ruy ilustra o conselho do historiador Rafael Medoff , que, em seu extenso estudo sobre histórias em quadrinhos e sua eficácia no ensino (ver Medoff , pp . 65-71 - Ed.), descobriu que "uma abordagem simples funciona melhor em assuntos pesados, como o Holocausto”. Ele sugere que a técnica mais interessante é abandonar cuidadosamente o registo histórico e encontrar histórias da vida real que as pessoas poderão achar mais interessantes, e usar arte, – especialmente desenho animado ou histórias em quadrinhos – para animar e levar o leitor a ler até ao final. (Kaminer, 2013)

Medoff observa que "o público está a começar a acostumar-se à ideia de que a história séria, rigorosa pode ser representada em um estilo da banda desenhada" (Kaminer, 2013) , mas o uso de desenhos animados e ilustrações para ensinar tanto sobre o passado como sobre os eventos atuais não é novo: a banda desenhada Doonesbury nunca se esquivou de comentar assuntos mundiais, e cartoons editoriais de jornal, usado nos livros de história para ilustrar factos e conceitos, têm uma história longa e distinta. Persépolis de Marjane Satrapi (2004) é ​​um cartoon autobiográfico amplamente utilizado para ensinar sobre o Irão. Maus de Spiegelman é um texto clássico sobre o Holocausto, e o seu Shadow of No Towers (2004) ensina sobre o 11 de setembro. "A história em quadrinhos se responsável e bem ensinada pode ser um complemento interessante e refrescante para aulas de história existentes", afirma Verena Radkau-Garcia (2014), do Instituto Georg Eckert for International Textbook Research, com sede na Alemanha.

Dada a escassez de livros disponíveis sobre Sousa Mendes em Inglês (só há uma: a de 2001 de José-Alain Fralon – A Good Man in Evil Times), esta banda desenhada é uma contribuição significativa para a literatura. Obviamente, ela não irá substituir um texto de história, mas vai ser usado em conjunto com sites relacionados, filmes, notícias e artigos académicos, proporcionando aos estudantes múltiplos pontos de entrada para o tema da minoria de pessoas boas que salvaram judeus durante o Holocausto. Ela fornece um exemplo envolvente do conceito universal – não importa o formato em que é apresentado – que uma pessoa pode fazer a diferença

REFERÊNCIAS
Cohen, L.S. But this book has pictures! The case for graphic novels in an AP classroom. Retrieved from http://apcentral.
Cutler, D. (2014, September 17). The new teachers’aides: Superman and Iron Man. The Atlantic. Retrieved from www.theatlantic.com
Fralon, J.-A. (2001). A good man in evil times: The story of Aristides de Sousa Mendes-the man who saved the lives of countless refugees in World War II. (Peter Graham, Trans). New York Carroll and Graf
Kaminer, M. (2013, September 17). Holocaust education through comics. The Forward. Retrieved from http://blogs.forward.com
Phalnikar, S (2008, February 1). Graphic novel tackles taboo of the Holocaust. Deutsches Welt. Retrieved from http://dw.de
José Ruy, J. (in press). Aristides de Sousa Mendes, Hero of the Holocaust. (Della Peretti). New York: Sousa Mendes Foundation
Satrapi, M (2004). Persepolis
Spiegelman, A. (1986). Maus: A survivor’s tale: My father bleeds history. New York: Pantheon Books
Spiegelman, A. (2004). In the Shadow of No Towers. New York: Pantheon Books

Da edição portuguesa original

_______________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page