domingo, 4 de abril de 2010

BDpress #123 – Mais um texto de Pedro Cleto: COMO A BD VIVE A RELIGIÃO

Para não tornar demasiado longo o post de ontem, deixei para hoje (até porque é mais apropriado ao “santo” dia…) o texto que se segue. As ilustrações são da responsabilidade do Kuentro, até porque o texto foi sacado directamente do Jornal de Notícias online e ainda não me chegou a página digitalizada como habitualmente acontece.

Jornal de Notícias, 2 Abril 2010

COMO A BD VIVE A RELIGIÃO

F. Cleto e Pina

Abordagens em histórias aos quadradinhos são as mais variadas, desde a pura ficção à ilustração da Bíblia.

Criada à imagem e semelhança dos autores que nela trabalham e do meio em que estão inseridos, a banda desenhada, naturalmente, tem abordado de forma recorrente questões religiosas. E fá-lo dos mais variados prismas, da pura ficção à ilustração da Bíblia.

Neste último caso está "The Book of Genesis Illustrated", de Crumb, pai da BD underground, que prometia polémica mas se revelou uma leitura fiel do primeiro livro da Bíblia, ilustrado com muita mestria. Também no final de 2009, surgiu "Yeshuah - Assim em cima, assim embaixo", dos brasileiros Laudo e Omar Viñole, primeiro de uma trilogia sobre um Cristo muito humano.



São dois exemplos recentes de uma linhagem já com algumas décadas, a que, como sinal dos tempos, se podem juntar "The Manga Bible", criada pelo britânico Siku, ou "The Manga Bible Story-japanese: Comic Book Style Bible", do japonês Masakazu Higuchi.
A outro nível, Charles Schulz, um luterano convicto, muitas vezes pôs os Peanuts a citar versículos bíblicos (o que originou o livro "The Gospel According to Peanuts"), e Maurício de Sousa ilustrou "Passagens Bíblicas com a Turma da Mônica".






Num contexto histórico, encontra-se a biografia de "Don Bosco", feita em 1949 por Jijé, desenhador de Spirou e Jerry Spring, "A aparição de Fátima", do mestre português Eduardo Teixeira Coelho, ou "Avec Jean-Paul II", de Bar, Koch e Lehideux. "El Increible HomoPater", uma BD, polémica, do artista plástico colombiano Rodolfo Leon, dava também o protagonismo a João Paulo II, mas como um super-herói regressado dos mortos para combater o mal, treinado por Batman e Super-Homem…


Outros papas inspiraram autores de BD, em registos (mais ou menos) ficcionados. É o caso de "Bórgia", um retrato virulento e licencioso do papado de Alexandre VI, a série "Escorpião", que conta as aventuras de um caçador de relíquias sagradas, em busca da verdadeira cruz onde o apóstolo Pedro foi crucificado, para desmascarar intrigas papais, ou o mais clássico "Vasco", de Chaillet, sobre as lutas pelo poder - secular e religioso - na Itália do século XIV.


As teorias da conspiração, na sequência do êxito do "Código Da Vinci", têm inspirado muitas obras, mas antes do livro de Dan Brown já havia histórias aos quadradinhos com esta temática, como "Le Triangle Secret", escrito por Didier Convard, baseado no pressuposto que Jesus teria um gémeo que ocupou o seu lugar após a crucificação.
Já "O Decálogo", escrito por Frank Giroud, versa sobre uns eventuais 10 mandamentos deixados por Maomé, cuja divulgação poderia mudar a história das religiões muçulmana, cristã e judaica. "Revelações", de Paul Jenkins e Humberto Ramos, é um policial que decorre em pleno Vaticano, num confronto entre fé e razão, e no mesmo registo, surge "O terceiro Testamento", de Dorison e Alice, que narra uma longa investigação de um inquisidor caído em desgraça.


Com um outro nível de leitura, surgem "Dieu en personne", um ensaio em BD sobre a divindade, da autoria de Mathieu, que começa com o regresso de Deus à Terra que criou, para ver o seu estado, terminando num mega-processo contra Ele, e "Pourquoi j'ai tué Pierre", em que Oliver Ka, com o desenhador Alfred, aborda de forma pudica e sensível, num registo autobiográfico, um tema que infelizmente faz a actualidade: a pedofilia na Igreja Católica.


A existência de tantas abordagens justifica uma exposição todos os anos na catedral de Angoulême, durante o mais importante festival europeu de BD.
_____________________________________________________________________


Já agora, completando um pouco o ramalhete, Pedro Cleto não fala deste último livrinho (não foi lá muito divulgado), que, a bem dizer nem é banda desenhada mas sim vários cartoons de Piem, editado em 2004 pelas Edições 70 e legendado por este vosso servidor...
______________________________________________________________________

E para terminar por hoje, falta acrescentar um importantíssimo dado da conjuntura internacional: ontem, dia 3 de Abril, foi O DIA INTERNACIONAL DA GUERRA DE ALMOFADAS. O que é que eles inventarão mais?


______________________________________________________________________
 
Locations of visitors to this page