segunda-feira, 11 de julho de 2011

BDpress #274: COLEÇÃO “ROTAS E PERCURSOS” – NOVA PARCERIA PÚBLICO-ASA


Desta vez não é banda desenhada, mas a nova colecção Público/Asa, a ser lançada na próxima quarta-feira, dia 13, de sete guias para apresentar sete cidades, originalmente publicada pela Casterman em associação com a Loneley Planet em 2009, reúne em cada livro, um grande autor da banda desenhada e um grande autor de livros de viagens. Nos dois primeiros casos, em que as personagens que apresentam as cidades de Veneza e Roma (respectivamente Corto Maltese e Alix) foram criadas por autores já falecidos, surgem, no primeiro livro, como ilustradores Guido Fuga e Lele Vianello, dois antigos colaboradores de Hugo Pratt e no segundo, Gilles Chaillet e Enrico Sallustio, antigos colaboradores de Jacques Martin.


Público, suplemento Fugas, 9 Julho 2011

Colecção Rotas e Percursos

Carlos Pessoa

VENEZA
Corto Maltese 
abre as portas da cidade ao viajante

Tudo começou no Pacífico Sul, numa jangada à deriva, e tudo acabou enquanto demandava o continente perdido de Mú. Durante esse dilatado tempo de aventura, Veneza marcou presença única no percurso de Corto Maltese. O primeiro livro da colecção Rotas e Percursos leva-nos de novo à cidade do Adriático, desta vez pela mão do herói de Hugo Pratt. Os seus autores, deixam duas sugestões: usar sapatos confortáveis e passear ao sabor da inspiração.

A primeira aparição de Corto Maltese é inesqueável. Na quinta prancha de A Balada do Mar Salgado, publicada emJulho de 1967 na revista italiana de banda desenhada Sgt. Kirk, aparece à deriva na imensidão oceânica do Pacífico um marinheiro de longo curso. Assinale-se o dia da ocorrência: 1de Novembro de 1913, dia das surpresas, dia de Todos-os-Santos.

Quem poderia adivinhar que este personagem secundário da história se iria transformar num dos mais importantes heróis de banda desenhada de todos os tempos?

O tempo corre e oito anos depois, quando a criação de Hugo Pratt já não é desconhecida mas, pelo contrário, está bem enraizada no imaginário de milhões de leitores, o marinheiro aventureiro é surpreendido em Itália. "Veneza seria o meu fim!", exclama Corto num dos mais nostálgicos monólogos de que há memória, e depois de confessar a sua imensa paixão pela cidade italiana, muito bela e, além disso, encantada, geradora de todas as preguiças e deleites, lugar de todos os sortilégios, onde existem três sítios mágicos e secretos.

Explica Hugo Pratt (ou será Corto Maltese?): quando os venezianos, e por vezes os malteses, se cansam das autoridades, dirigem-se a estes lugares e, abrindo as portas ao fundo desses pátios, partem para sempre em direcção a países fantásticos e outras histórias. Fim de Fábula de Veneza.

Tudo isso pode ser procurado e, quem sabe?, encontrado no labirinto de ruelas de Veneza de que falam os autores deste guia. Transformados em fios de Ariadne para ajudar o visitante-leitor a orientar-se, conduzindo-o através de percursos menos conhecidos, Guido Fuga e Lele VianelIo (mais os soberbos desenhos de Hugo Pratt) propõem sete viagens através de sete portas – da aventura, do mar, do oriente, do ouro, do amor, da cor, da viagem –, que são outras tantas formas de fazer a iniciação a uma cidade com uma natureza particular, lembram, um "duplo labirinto de terra e de água".

Há poesia e ficção nos itinerários, mas também rigor e precisão.

E para que a experiência seja plenamente sucedida, deixam uma sugestão sensata: que cada um calce sapatos confortáveis e passeie ao sabor da sua inspiração; acima de tudo, a descoberta de Veneza, cidade que não precisa de adjectivação, deve ser, sempre, um prazer.

Antes e depois de passar por Veneza, Corto deixou a sua discreta mas inconfundível marca em todas as latitudes conhecidas do planeta. Esteve no conflito russo-nipónico nos primeiros anos do século XX, abriu trilhos insuspeitados na floresta amazónica e foi visto na costa ocidental da América do Sul. Durante a Primeira Guerra Mundial passou pela Europa e pela África Oriental, enfrentou os rigores da Sibéria e procurou os tesouros de Samarcanda. Atravessou meio mundo para procurar velhos amigos na Argentina e depois de uma nova passagem pela cidade dos seus sonhos e mitos, antes de mergulhar nos mistérios alquímicos helvéticos, terminou a sua saga conhecida à procura do mítico continente perdido da Atlântida.

Dizem os seus biógrafos que Corto Maltese também passou por Espanha nos anos brutais da guerra civil, mas o criador italiano já não viveria para contar o que levou o seu herói até lá.
Hugo Pratt escreveu e desenhou as histórias de Corto Maltese, um herói tão singular que é dificil escapar-lhe ao carisma, à subtileza, ao humor, à sensibilidade. Dele falou Pratt em termos que têm tanto de caloroso e misterioso como de lúcido: "Corto não nasceu de mim. Estou certo que é um fenómeno de autocombustão. Ele vive. Aliás, nunca sei se sou eu que o sonho ou se é o inverso."

Nas incontornáveis entrevistas com Dominique Petitfaux (Hugo Pratt – O desejo de ser inútil, Relógio d'Água Editores, 2005) lembrou que, como Ulisses, Corto Maltese é um marinheiro que vai de aventura em aventura, vivendo num mundo onde nada está programado e onde é constantemente preciso fazer escolhas.

Sabemos em que consistem as escolhas do marinheiro de Malta: a beleza, ajustiça, a humanidade, e também um desejo irreprimível de viver cada momento e situação como se fossem únicos e irrepetíveis, requisito indispensável para gerar mais consciência na vida e na existência.

Uma colecção para descobrir sete cidades

A partir da próxima semana, o Público começa a distribuir à quarta-feira uma série de sete guias consagrados a Veneza, Roma, Nova Iorque, Florença, Marraquexe, Praga e Bruxelas. A colecção Rotas e Percursos é uma iniciativa conjunta com as Edições Asa, composta por guias com itinerários urbanos que têm a particularidade de serem ilustrados por grandes nomes da BD mundial. Desenhos originais, planos das cidades vistos à lupa, informação sobre os bairros históricos, dicas sobre lugares pouco conhecidos, curiosidades e histórias da cidade são alguns dos conteúdos destes livros onde as fotografias foram integralmente substituidas por ilustrações e imagens de banda desenhada. Os roteiros dos dois primeiros títulos são feitos na companhia de Corto Maltese e Alix. Semanalmente; na Fugas, apresentaremos uma recensão de cada um dos guias.


 
  
Dado que ainda só existe imagem da edição portuguesa da capa do primeiro livro (e em baixa resolução, diga-se) optámos por deixar aqui as capas da edição original, como referência.

DATAS DE LANÇAMENTO DOS LIVROS COM O PÚBLICO

13 de Julho
Veneza - Percursos com Corto Maltese
Hugo Pratt – Guido Fuga – Lele Vianello

20 de Julho
Roma - Percursos com Alix
Jacques Martin – Gilles Chaillet - Enrico Sallustio - Thérèse de Cherisey

27 de Julho
Nova Iorque – Percursos
Miles Hyman - Vincent Réa

3 de Agosto
Florença – Percursos
Nicolas de Crecy – Élodie Lepage

10 de Agosto
Marraquexe – Percursos
Jacques Fernandez - Olivier Cirendini

17de Agosto
Praga – Percursos
Guillaume Sorel – Christine Coste

24 de Agosto
Bruxelas – Percursos
François Schuiten – Christine Coste


Veneza - Percursos com Corto Maltese
Hugo Pratt, Guido Fuga e Lele Vianello. Tradução de Paula Caetano. 
Edição PúBUCO-Asa. 164 págs, € 8,90.
À venda a 13 de Julho
_____________________________________________________

As imagens são da responsabilidade do Kuentro
_____________________________________________________

 
Locations of visitors to this page