quarta-feira, 4 de julho de 2012

BDpress #354: FUTEBOL NA BANDA DESENHADA – PEDRO CLETO NO J.N.



Depois do Europeu de Futebol e para refrescar um bocado a cabeça por termos empatado com a Espanha (e perdido nos penaltis), aqui fica um texto de Pedro Cleto publicado no Jornal de Notícias e também no blogue As Leituras do Pedro

FUTEBOL AOS QUADRADINHOS

F. Cleto e Pina

Próximos na data de nascimento, futebol e banda desenhada têm vivido juntos muitas aventuras, dentro das 4 linhas, do relvado e das vinhetas de papel.

Um dos mais famosos futebolistas dos quadradinhos – que os leitores do JN certamente recordam – é “Dick, o goleador”, uma tira diária de imprensa escrita por Alfredo Grassi para o desenho de José Luís Salinas, também publicada no Mundo de Aventuras. Protagonizada por três jovens sul-americanos – Dick, Poli e Jeff – combina a faceta desportiva com proezas de tom policial.


 Dick, o Goleador (ou o Campeão) de Alfredo Grassi (arg) e José Luís Salinas (des), também saíu em álbum da Futura

Dick, o Goleador (Gunner no original)

Este tipo de equilíbrio é uma característica comum a outros futebolistas de papel, como Eric Castel, craque do Barcelona, e Vincent Larcher, do AC Milan, criados pelo belga Raymond Reding; este último passou pelas páginas do Tintin e dele a Bertrand editou “Futebol e minissaias”. Do mesmo autor é “O sensacional Walter Muller”, que o Mundo de Aventuras publicou, sobre um jogador dos distritais alemães destinado a vencer no Barcelona, com o mundial de 1974 como pano de fundo.



Capitão Tsubasa, uma criação de Yōichi Takahashi, que saltou do papel para a animação (Oliver e Benji na tv nacional), acompanha um avançado e um guarda-redes desde as camadas jovens, passando por experiências no Brasil e na Europa, até se sagrarem campeões do mundo pela selecção principal japonesa.



Capitão Tsubasa, de Yōichi Takahashi

Percurso inverso teve “Foot 2 Rue” (Clube de Rua), animação francófona protagonizada por crianças de um orfanato que participa num campeonato de futebol de rua, que Mardiolle e Cardona transpuseram para a BD.

O Euro 2004 trouxe os heróis Disney a Portugal e em 2006 o espanhol Ibañez levou Mortadelo e Salamão ao Mundial. Ainda no campo do humor, o futebol tem sido inspiração recorrente para autores como o argentino Mordillo, o turco Gurcan Gürsel ou os portugueses José Bandeira (aqui no JN) ou Luís Afonso – embora estes abordem mais as questões colaterais…

Ainda em português, Eugénio Silva traçou aos quadradinhos a biografia de um dos maiores jogadores nacionais de sempre em ”Eusébio Pantera Negra”, e Vítor Péon narrou os feitos de João Davus, ficção sobre um futebolista português a actuar em Inglaterra, onde o seu criador então trabalhava. Em Inglaterra nasceu também “Billy, o Botas”, herói juvenil de Fred Baker e John Gillatt, cujo talento futebolístico advinha de umas velhas botas que tinham pertencido a um jogador famoso.


João Davus, de Vítor Péon. As 35 pranchas desta história podem ser vistas AQUI


 
Eusébio - Pantera Negra, de Eugénio Silva

Num registo mais adulto, uma referência para “Aqueles que te amam”, de Davodeau, que se inicia com um autogolo voluntário numa final da Taça dos Campeões e reflecte sobre a facilidade com que os fãs passam da paixão ao ódio e o lado mercantil dos atletas. Ulf K. e Andreas Dierssen, num curto e terno registo autobiográfico evocam a infância em “O ano em que fomos campeões mundiais” (Polvo), curiosamente o mesmo título que foi dado à BD que narrou a conquista do título mundial pela Espanha em 2010.

Aqueles que te amam, de Davodeau


Nesta linha narrativa, se hoje em dia é normal evocar a história dos clubes aos quadradinhos - no Brasil Ziraldo desenhou as do Corinthians, Fluminense, Palmeiras e Vasco da Gama, e em 2010 o centenário do Marítimo foi recordado em “Os Sonhos do Maravilhas” dos madeirenses Francisco Fernandes, Roberto Macedo Alves e Valter Sousa – no início da década de 90 quando Manuel Dias escreveu com humor, para o traço divertido de Artur Correia, a história dos três grandes do futebol português em “Era uma vez um leão”, “… um dragão e “… uma águia”, revelou algum pioneirismo.




E como o futebol vai continuar a provocar paixões e a arrastar multidões, a criar ídolos e casos mediáticos, é certo que vai continuar a ser um tema apetecível para quem cria histórias aos quadradinhos.

Caixa
A equipa de Maurício de Sousa

Se a maior parte dos protagonistas citados a cima nasceram no papel, o brasileiro Maurício de Sousa, criador da Mônica e do Cebolinha, lançou dois heróis com trajecto inverso.

É o caso de Pelé(zinho), nos anos 90, e de Ronaldinho Gaúcho (já este século e cuja revista está disponível mensalmente nos quiosques portugueses), que Maurício recriou no seu traço característico, em histórias em que humor, amizade e futebol andam de mãos dadas.

Pelo caminho ficaram projectos similares com Ronaldo (o fenómeno brasileiro) e Dieg(uinh)o Maradona, por questões relacionadas com direitos de imagem.

E, possivelmente já em Agosto, a equipa de Maurício de Sousa vai receber um reforço de peso, Neymar(zinho), num registo juvenil, próximo da Turma da Mônica Jovem.



Cartoon de Luís Afonso...

____________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page