domingo, 15 de junho de 2014

X FESTIVAL INTERNACIONAL DE BD DE BEJA 2014 (12) – AS EXPOSIÇÕES (11): GUIDO CREPAX + ENCERRAMENTO


HOJE 
ENCERRAMENTO 
DO X FESTIVAL INTERNACIONAL DE BANDA DESENHADA DE BEJA

Quisemos fazer coincidir toda a reportagem sobre as Exposições do X Festival Internaconal de BD de Beja, aqui no Kuentro, com a duração do próprio Festival. Terminamos assim - hoje, dia de Encerramento do X FIBDB - a referida reportagem. Contudo amanhã e terça-feira, teremos ainda dois posts referentes a acontecimentos durante o X FIBDB: os livros lançados durante o Festival e os vencedores dos Prémios Profissionais de BD 2014, apresentados na Bedeteca de Beja, no primeiro fim-de-semana.

____________________________________________________


MUSEU REGIONAL DE BEJA – NÚCLEO DOS INFANTES – GUIDO CREPAX – Itália


OS DEVANEIOS DE UM AUTOR ÚNICO
Manuel Espírito Santo

Escrever sobre Guido Crepax é mais que uma mera incursão pelos caminhos insondáveis da lascívia, erotismo, sonho e fantasia. Sou suspeito ao escrever sobre este autor dado o meu gosto pessoal pela sua obra e de outros autores intemporais que foram amigos do mesmo; casos de Hugo Pratt, Dino Bataglia e Sergio Toppi que na minha opinião fazem parte de um lote restrito na nona arte como dos melhores de sempre. Lembro-me de me ter deparado com as estórias oniricas dos mundos de "Valentina", "Anita", "Belinda" e de "Bianca" nos finais dos anos 80, princípios dos 90 na revista Linus e posteriormente na Charlie Mensuel. Sempre tentei fazer um paralelismo da arte deste autor com o cinema e provavelmente com o meu período favorito do cinema: o neo-realismo italiano com os filmes de Visconti, Antonioni, Rossellini, De Sica, Fellini e perdido nas minhas memórias lembro-me de num qualquer puzzle criado na minha mente fazer algumas ligações da obra de Crepax ao fabuloso mundo deste último. Penso que pode ser um pouco leviano reduzir a estética deste autor ao seu lado erótico dado o detalhe que colocava num qualquer desenho que criava e ao qual atribuía muito da sua essência e do seu peculiar mundo interior.

Crepax construiu não meras personagens (cujo expoente máximo foi "Valentina" personagem inspirada na sua mulher), mas sim toda uma cultura Pop que revolucionou o modo como os leitores viam a banda desenhada, quer com as suas incursões pelo mundo cinematográfico quer com as suas incursões à cultura Pop e mesmo à literatura através de adaptações de escritores como: Sacher Masoch, Marquês de Sade, Pauline Reage, Edgar Allan Poe e Franz Kafka, e onde se notava que os seus desenhos não eram meramente estáticos e continham um movimento fora do comum nesta arte.

Quadradinhos perdidos e libertos numa página em branco, Crepax dava liberdade de espaço aos seus personagens e às suas obras ficando o leitor com a mente completamente liberta das "amarras" de ler vinheta a vinheta, quadradinho a quadradinho. Crepax criou um estilo muito próprio nesta arte, sendo um inovador na mesma onde o sonho/realidade eram mais que meros lugares comuns e eram fundidos sem uma ordem cronológica específica (como se o tempo de repente ficasse parado e voltasse a andar descontinuadamente sem uma ordem específica).

Escrever sobre este autor é escrever sobre a nona arte como um dos máximos expoentes de todas as artes numa só e basta olhar para a sua obra para nos abstrairmos de todo um mundo demasiado fechado que parece envolto numa caixa para absorvermos toda a liberdade mental que este autor nos proporciona.

Beja irá ter este ano uma exposição dedicada a este autor e o que mais me impressionou foi o modo como os seus filhos viam o seu pai enquanto este era vivo. Crepax não era somente um bom contador de estórias ou um bom desenhista, mas sim uma pessoa que inovava na nona arte e na vida e ainda hoje os seus filhos têm a perfeita noção do que ele trouxe para esta arte. Deixem-se surpreender pela belíssima arte deste autor na exposição do Festival Internacional de BD de Beja deste ano, e se puderem tentem comparecer a uma conversa/debate com a presença dos seus filhos: Caterina e Antonio neste festival, com o maior conhecedor de banda desenhada do mundo: Paul Gravett, o autor de BD brasileiro do momento: Eduardo Filipe Sama e comigo, sem qualquer tipo de moderação e com o máximo de liberdade e interacção possível, tal e qual como as obras criadas por Crepax.

De notar ainda que irão existir homenagens feitas por autores nacionais à personagem "Valentina" por Derradé, Osvaldo Medina, Ricardo Drumond, Tiago Araújo e pelo artista brasileiro: Eduardo Filipe Sama.

Beja será este ano um dos principais pontos de passagem a nível internacional no que à banda desenhada diz respeito com esta e outras exposições onde um mero quadradinho pode ter toda a liberdade do mundo.


TRIBUTO A CREPAX 


__________________________________________________________

Nota: Segundo informação de Manuel Espírito Santo, a exposição de originais de Guido Crepax no X FIBDB teve a colaboração e apoio da Invicta Indie Arts, que ajudou o Festival a ter em exposição 18 originais de Crepax (e não uns 10 como dizemos no texto), assim como os tributos feitos á Valentina de Crepax por autores nacionais e estrangeiros.

Pode ser visto aqui: http://invictaindiearts.blogspot.pt/2014/06/exhibition-of-iconic-comics-character.html o post do blogue da Invicta Indie Arts dedicado à exposição e fotos dos filhos de Crepax em Beja.

____________________________________________________

 
Locations of visitors to this page