sábado, 13 de agosto de 2011

LUANDA CARTOON’2011 – TERMINOU ONTEM O VIII FESTIVAL INTERNACIONAL DE BANDA DESENHADA – ALGUNS TEXTOS ALGUMAS FOTOS


Terminou ontem (dia 12) o Luanda Cartoon’2011.

Os textos e as fotos que nos chegaram, via blogue 10 Pãezinhos, de Gabriel Ba e Fabio Moon, com vídeos, depois alguns blocos da Angola Press e do Jornal de Angola. Depois, as fotos que conseguimos recolher, vieram da página do Facebok do Luanda Cartoon.

Eis o Texto dos gémeos brasileiros:

Estamos em Angola. Sim, na África. Nunca imaginei que as Histórias em Quadrinhos pudessem nos levar tão longe e, ao mesmo tempo, é curioso como não há uma integração maior entre os países de língua portuguesa. Já havia sentido uma ligação grande com os portugueses que conhecemos ano passado em Beja, Porto e Lisboa e agora que estamos aqui em Angola, me identifico com eles, seus problemas, seus desejos, seu sonhos. A paixão pelos Quadrinhos – a Banda Desenhada – é grande, assim com sua vontade de aprender mais e conhecer mais, além da troca de experiências. O Festival Luanda Cartoon tem todos estes objetivos e vem formando um público de Quadrinho ao longo de suas 8 edições, assim como servindo de ponto de encontro dos artistas locais.

Os convidados internacionais somos nós dois do Brasil, João Marcarenhas e João Amaral de Portugual e Laura Sassaroli, da Itália. Eu não conhecia nenhum deles, nem eles conheciam nosso trabalho. Essa é parte da graça de eventos como este.

É claro que nossos trabalhos mais conhecidos e com maior visibilidade são os publicados nos EUA, mas fizemos questão de trazer somente nossos livros publicados no Brasil pra mostrar aqui. As obras que escolhemos pra exposição incluem histórias pra Época São Paulo e Daytripper, por trazerem a língua portuguesa e o Brasil. Os organizadores - os irmãos Olímpio e Lindomar – se identificam com nossa história, dois irmãos que trabalham juntos e tem a mesma paixão, e fizeram sua pesquisa. Eles conhecem os 10 Pãezinhos. Viva a internet, nesse sentido, que atravessa oceanos e está aí pra quem tem vontade de procurar, pesquisar e conhecer.

Ainda ficaremos até quarta-feira em Luanda, mas sabemos que não conseguiremos ver tudo que há pra ver na cidade e, principalmente, não vamos conhecer o interior do país, que dizem ser incrível. Estamos aproveitando ao máximo, reunindo as histórias pra contar no futuro, pois todos lugares que vamos acabam no tocando, entrando nas nossas narrativas. Os sentimentos que colocamos nas nossas histórias são os mesmos em todas as partes do mundo e cada lugar tem o seu tempero, seus detalhes, suas marcas.

Estamos deixando nossa marca e estamos sendo marcados por todos os lugares que passamos. Essa é nossa história, sempre foi e continuará sendo.

E os vídeos:



Para ver os vídeos clique em cima das imagens.
_____________________________________________

Os textos jornalísticos:

Angola Press - Angop, 12-08-2011

AMANTES DE BANDA DESENHADA PRESENTES NO ÚLTIMO DIA

Luanda – Mais de trinta pessoas presenciaram hoje, sexta-feira, em Luanda, o encerramento das sessões de retratos e caricaturas da 8ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada Luanda Cartoon, realizada de 05 a 12 do corrente mês na capital angolana.

Em declarações à Angop, o cartonista e co-realizador do evento, Olímpio de Sousa, disse que o espólio exposto no evento foi o realizar de muitos sonhos, por ter agora a possibilidade de desenvolver as suas criações artísticas.

"Hoje temos a possibilidade de mostrar os trabalhos de banda desenhada juntamente com outros artistas e isso é um motivo de grande alegria para mim e aos outros, realçou o jovem artista, acrescentando que a exposição continuará patente no centro comercial Belas Shopping até o dia 21.

Por outro lado, o funcionário público Honorato Will, que se fez presente no evento, lamentou o facto de não se observar regularmente festivais do género, o que afecta negativamente a afirmação desta vertente artística no país.

"É triste não haver com regularidade mais eventos deste natureza”. “A nossa juventude hoje tem poucos atractivos, analisou Honorato Will, para quem a actividade deve continuar de modo a expandir-se para outros locais do país para a descoberta de talentos escondidos.

O interlocutor disse eventos do género podem contribuir para a educação dos jovens e evitar que muitos se entreguem a males com o uso de álcool e de outras drogas.

Outra cidadã, Filomena da Costa, que também se fez presente no Luanda Cartoon, em companhia dos filhos, disse que o festival transmite alegria e bem-estar físico e mental, sobretudo para as crianças.

Filomena da Costa disse que o certame ajudará a despontar o estímulos à leitura e o prazer pela banda desenhada nas suas crianças, tendo em conta os elementos educativos e criativos que apresentou.

A 8ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada Luanda Cartoon expôs 64 quadros produzidos por 30 artistas nacionais e cinco estrangeiros.

Alguns dos presentes tiveram a oportunidade de ver caricaturadas as suas imagens, numa gentileza dos organizadores.

As criações integram trabalhos dos angolanos Horácio da Mesquita, Lindomar, Olímpio, Nelson Paim e Armando Eduardo, dos brasileiros Fábio Moo e Gabriel Bá, portugueses João Amaral, e de muitos outros cartonistas.

Banda Desenhada (BD) ou história aos quadradinhos é uma forma de arte que conjuga texto e imagens, com o objectivo de narrar factos dos mais variados géneros. São, em geral, publicadas em livros, revistas ou jornais.
_____________________________________________


Jornal de Angola, 12 Agosto 2011

ARTISTAS ATRIBUEM NOTA POSITIVA

Roque Silva

A oitava edição do Festival Internacional de Banda Desenhada e Animação, “Luanda Cartoon”, que decorre desde o dia 5 até hoje no Belas Shopping e no Instituto Camões, tem recebido inúmeras críticas positivas dos artistas e do público.

Júlio Pinto, cartoonista e membro da organização, afirmou ontem que a presente edição do festival está a ter um saldo positivo, quer pela participação de artistas estrangeiros, quer pela expansão da exposição em duas salas e pelo elevado número de visitantes.

Na sua perspectiva, a troca de experiências entre os artistas nacionais e estrangeiros é uma das notas marcantes do festival, que conta com um total de 35 participações, entre as quais cinco estrangeiros: João Mascarenhas, João Amaral (Portugal), Fábio Moon, Gabriel Bá (Brasil) e Laura Sassaroli (Itália).

Há criações produzidas pelos artistas angolanos Horácio Dá Mesquita, Lindomar e Olímpio, Nelson Paim, Fábio Moo e Gabriel Bá, Zorito Chiwanga, Nelo Tumbula, Nelson Paim, João Amaral e Armando Eduardo.

“Estamos a receber um número moderado de visitas nos últimos dias, ao contrário do dia da inauguração em que o Bellas Shopping e o Instituto Camões registaram casa cheia”.
Júlio Pinto acrescentou que o contacto entre os artistas e o público foi relevante para a organização atribuir uma nota positiva ao festival, comparativamente à edição anterior, além de mais de 70 por cento dos expositores nacionais terem sido formados no estúdio Olindomar, organizador da iniciativa.

“Quase todos fomos contactados por visitantes interessados nas nossas histórias, para publicarmos revistas baseadas nos quadros que apresentamos. Eu e a dupla Gildo e Bocolo recebemos histórias de escritores estrangeiros e apresentamos em quadros”, explicou.

O cartoonista português João Mascarenhas disse que o “Luanda Cartoon” recebe nota razoável, comparativamente às grandes actividades na Europa, América e Ásia, tendo em conta a sua realidade.

O artista português, que participa pela segunda vez no Festival Internacional de Banda Desenhada e Animação em Luanda, explicou que é necessário que os artistas se associem a uma editora para publicarem os seus trabalhos. “Esta edição foi razoável, porque o mercado editorial angolano ainda é caro. Os artistas devem fazer parte de uma editora, para reduzir os custos de edição dos seus trabalhos”. O artista brasileiro Fábio Moon disse que os trabalhos de histórias aos quadrinhos, produzidos por cartonistas a nível da Comunidade dos Países de Língua Portuguesas (CPLP) ainda são muito pouco explorados pela comunidade e pelos fazedores da arte que conjuga texto e imagens.

Segundo o artista disse à Angop, actividades do género são muito importantes para a troca de informação, desenvolvimento e exploração de novas analogias em termos culturais e de criação do intelecto estudantil.

“Para realçar o intercâmbio conduzimos para cá sete edições já publicadas. Até porque poucas são as obras de histórias aos quadros angolanas ou brasileiras comercializadas em Portugal e vice-versa”, disse.
___________________________________________________________

As fotos:


Os autores presentes (foto 10paezinhos.blog.uol.com.br)

 Olímpio - João Amaral - Fábio Moo - Gabriel Bhá - João Mascarenhas - Guilherme Sebastião - Laura Sassaroli - Lindomar de Sousa

 Olímpio, Leda Macueria e Lindomar de Sousa

 Olímpio de Sousa e Gabriel Ba

Aspecto da sala aquando da inauguração do Luanda Cartoon'2011
_____________________________________________________

 
Locations of visitors to this page