terça-feira, 25 de outubro de 2011

JOBAT NO LOULETANO – 9ª ARTE - MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (XVII e XVIII) – ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” – AS PRIMEIRAS HQ DE JOSÉ GARCÊS (I)



9ª ARTE
MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA 
(XVII - XVIII)

O Louletano, 20 a 26 de Julho de 2004

NOSTALGIA (17/18)
ILUSTRADORES PORTUGUESES 
NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” 
____________________________________

AS PRIMEIRAS H.Q. DE JOSÉ GARCEZ (1)

por José Batista

Já frequentava a Antonio Arroio, em 1947/48, quando pela primeira vez contactei as ilustrações de José Garcês publicadas no jornal "O Mosquito". Mestre Rodrigo Alves (R.A.), que também o fora dele, fazia referências elogiosas ao antigo aluno, o qual, concluido o curso, de imediato ingressou no Instituto Metereológico Nacional. Foi aí que pessoalmente o conheci, no início da década de 60, ao mostrar-lhes uns desenhos meus que fizera para a Agência Portuguesa de Revistas. Tal como a muitos que passaram pela António Arroio e, simultaneamente, pelas aulas de R.A., também Garcês, de seu nome completo José dos Santos Garcês, foi inoculado pelo virus das histórias aos quadradinhos veiculado pelo citado mestre. Gráfico competentíssimo e desenhador experimentado, R.A. incutia nos seus alunos sólidas noções nessa forma de arte, expondo, ao vivo, as técnicas que melhor traduziriam o resultado final que se desejava. Verdade que o citado mestre nunca enveredou, profissionalmente, por essa vertente artística, mas que dela sabia a rodos é um facto que todos os seus alunos amplamente constactaram.

A publicação das quatro histórias que José Garcês publicou no "Mosquito", concidiram com os primeiros anos de frequentei essa escola, e, sobre elas, nos debruçávamos nas aulas de desenho de letra e litografia ministradas por R.A. Tendo em conta a idade, 18 anos, esses primeiros trabalhos atestam um cuidado e potencialidades artísticas dignos de nota, especialmente se considerarmos o enfileirar, no citado bi-semanário, ao lado do ilustrador mais admirado e querido dos leitores e aspirantes a futuros autores de BD, - E. Teixeira Coe-lho, - que na altura frequentavam a António Arroio, isto para não citar Hall Foster aquando da publicação da sua quarta história, "A Maldição Branca", nesse bi-semanário.

LEGENDAS DAS IMAGENS:

Primeira página de "O Segredo das Águas do Rio", publicada n' "O Mosquito" n° 816, de 19 de Abril de 1947

Última tira da mesma história, publicada no n° 841, de 16 de Julho do mesmo ano

_____________________________________________________

O Louletano, 27 de Julho a 2 de Agosto de 2004

AS PRIMEIRAS H.Q. DE JOSÉ GARCEZ (2)

por José Batista

Com colaboração disseminada por quase todas as publicações de B.D., pode afirmar-se que José Garcês é, juntamente com V. Péon, um dos ilustradores com mais obra publicada em Portugal. Nasceu em 1928, a 23 de Junho, e frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio. Era costume, num tempo em que não existiam fanzines, os alunos dessa escola ilustrarem pequenos jornais de parede, alguns inclusive chegavam mesmo a ser impressos nas aulas de desenho litográfico dos mestres Rodrigues Alves e Mendes, este último na área das técnicas de impressão. José Garcês não fugiu à regra, dirigindo e ilustrando em 1944, "O Merlo", iniciando dessa forma uma longa e frutuosa carreira no campo das histórias aos quadradinhos.

Também a ele, como a quase todos os candidatos a ilustradores nessa época, década de 40, a beleza dos desenhos de E.T. Coelho cativaram a sua admiração. Nota-se em toda a sua obra, na limpidez da linha, leveza no tratamento da figura e elegância na forma, algo da arte inconfundível do "Poeta da Linha", como o classificou Emílio Freixas, grande ilustrador espanhol, desse tempo. A arte de outro gigante das "comics" americanos, Hal Foster, também o não deixou indiferente, o mesmo acontecendo com Hogarth. Porém, todos foram, na construção do seu próprio estilo, harmoniosamente assimilados, nenhum deles se impondo mas de todos colhendo os elementos que enriqueceriam a sua obra ao longo de uma extensa e fecunda carreira artística.

Tal como E.T.C., também José Garcês privilegia o uso da pena, a qual não permite, a meu ver, a espontaneidade que o pincel faculta nos jogos do claro escuro, no qual os volumes dinamizam as ilustrações.

A figura humana, especialmente os rostos e mãos, apresentam-se cuidadosamente delineados, belas mesmo, fruto de uma síntese de traços particularmente feliz, o mesmo acontecendo nas suas vinhetas de plano geral, bem concebidas, planificadas e executadas. Um uso mais diversificado na visualização dos planos, quebraria algum do estatismo que por vezes se nota no conjunto das vinhetas de algumas páginas, nas quais a ausência de modelo também é visível.

Relevando, porém, esses pequenos itens, a obra de José Garcês é notoriamente bem elaborada, e graficamente equilibrada na abordagem dos mais variados temas, com acentuado destaque na área histórica, na qual o autor se movimenta com natural à vontade no domínio dos componentes que cada época exige.

Todavia, a sua história que mais prendeu a minha atenção foi " Rumo a Oriente", publicada no "Camarada". Saudades do tempo, da pesquisa, da fantasia, da ficção, talvez da ousadia? Quem sabe, se simultaneamente tudo isso.

LEGENAS DAS IMAGENS:

Primeira página de "A Maldição Branca", publicada n' "O Mosquito" n° 932, de 29 de Maio de 1948

Última tira da mesma história, publicada no n° 941, de 30 de Junho do mesmo ano, e simultâneamente o último trabalho de José Garcês publicado n' "O Mosquito".

_____________________________________________________

ULISSES (XIV e XV)
Texto e desenhos de Jobat



_____________________________________________________

 
Locations of visitors to this page