segunda-feira, 17 de outubro de 2011

JOBAT NO LOULETANO – 9ª ARTE - MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (XVe XVI) – ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” – JOSÉ GARCÊS (I)


9ª ARTE
MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (XV - XVI)


NOSTALGIA (15/16)
ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” 

JOSÉ GARCEZ (I)

por José Batista

Iniciamos, esta semana, nesta secção, a publicação de textos do argumentista, ensaista, coordenador e editor de revistas de B.D., Jorge Magalhães (J.M.). Foi no já longínquo ano de 1959 que ilustrei o seu primeiro conto inserido no semanário "O Mundo de Aventuras", edição da Agência Portuguesa de Revistas, império editorial terminado em 1983, do qual J.M. foi profícuo e diligente colaborador desde 1973.

A Jorge Magalhães o abraço do amigo e o agradecimento do colega. José Batista.


«O Mosquito» foi um verdadeiro banco de ensaio para os principais desenhadores portugueses da década de 40: Vitor Péon, E.T. Coelho, Jayme Cortez, José Garcês. Só por lá não passaram Fernando Bento, Júlio Gil e António Barata. Nem sequer havia uniformidade de estilos na revista dirigida artisticamente por Cardoso Lopes. O que havia era juventude, arrojo, inovação, mesmo quando as influências saltavam à vista. Diz-se que E.T. Coelho influenciou quase todos os desenhadores da sua geração. Curiosamente, é fora do «Mosquito» que vamos encontrar os seus discípulos. Mesmo quando Péon era acusado, por certos sectores, de copiar Coelho, já se descobria nas suas H. Q. o gérmen de um estilo pessoal, que acabaria por evoluir noutra direcção. Péon nunca foi um ilustrador; Coelho, por vezes, ressentia-se disso. Os leitores chegaram, em certa altura, a preferir o primeiro ao segundo, e lá sabiam porquê.

Vem todo este arrazoado a propósito de um jovem desenhador - tinha, então, 18 anos - que se estreou no «Mosquito» n.° 762, de 12 de Outubro de 1946, com uma H.Q. que já denotava reais capacidades. Era um estilo novo, diferente de tudo o já se tinha visto no jornal, embora quem examinasse atentamente os desenhos se apercebesse da influência, mais subtil que profunda, de Hogarth. A história intitulava-se «O Inferno Verde» e o desenhador era J. Garcês - assinatura num canto do último quadradinho, que iria tornar-se rapidamente conhecida.

LEGENDAS DAS ILUSTRAÇÕES:
Primeira página de "O Inferno Verde", de José Garcês
Última tira de "O Inferno Verde", publicado n' "O Mosquito" n° 769, de 6 de Novembro de 1946

________________________________________________




JOSÉ GARCEZ (II)

(conclusão do n° anterior)
Jorge Magalhães

O estilo era correcto e meticuloso, e assim permaneceria até hoje (exeptuando alguns trabalhos feitos em épocas mais conturbadas, quando as preocupações e a falta de tempo pesavam sobre o artista). À hamonia de linhas opunha-se um certo estatismo da expressão corporal, compensado pela perfeição dos enquadramentos, embora já se manifestasse a tendência para o plano geral. Há também a registar o bom emprego das sombras e do tracejado, importante meio estético e narrativo, que Garcês já demonstrava dominar com segurança.

Os balões estavam ausentes, mas a maioria dos desenhadores portugueses dessa época ainda não se tinham afeiçoado à lingua¬gem moderna dos «comics», apesar do exemplo dos artistas catalães, que revolucionara «O Mosquito»: Jesus e Alejandro Blasco, Freixas, Puigmiquel, «Irriba-ren», etc.

Cremos que a regra das legendas em didascálico, que duraram até ao último número, foi imposta por Raul Correia (embora Cardoso Lopes raspasse todos os diálogos das H.Q. inglesas, há balões em muitas das suas histórias), pois é um facto que Raul Correia sempre abominou os balões. Dessem-lhe um história com legendas e aí a sua veia de prosador e poeta podia espraiar-se à vontade. Nem mesmo as séries americanas, como «Tommy, o Rapaz do Circo» e «Anita e os Seus Amigos», o convenceram.

Depois do «Inferno Verde», apareceram no «Mosquito» mais três histórias com a sua assinatura: «O Império Enlutado», «O Segredo das Águas do Rio» e «A Maldição Branca». Os progressos foram árduos e lentos, mas era notória a aptidão narrativa e o à vontade com que retratava personagens e ambientes exóticos.

Na última etapa, o seu estilo já amadurecera o suficiente para não fazer má figura num jornal que estava ainda a publicar «O Caminho do Oriente» e «A Lei da Selva», de E.T. Coelho, e onde se estreara, pouco antes, «O Príncipe Valente», de Harold Foster (que se tornaria o seu desenhador favorito).

Aluno da Escola António Arroio e de Mestre Rodrigues Alves, que lhe incutiu sólida formação artística, Garcês mostrou grande habilidade, desde o início, para a execução de presépios e de construções de armar (esta última, uma modalidade que esteve muito em voga nas revistas infanto-juvenis dos anos 30, 40 e 50, e que ele ainda hoje cultiva com sucesso). Mais tarde, ao ingressar na «Modas e Bordados» e no «Camarada», viria a especializar-se num tema a que poucos desenhadores podem abalançar-se sem se afundarem: a B.D. histórica. Escolha que, se por um lado contribuiu para a sua consagração oficial, serviu também para alimentar as críticas (não raro pouco fundamentadas) dos seus detractores.

Mas são as produções da sua juventude («Fathma», «Rumo a Oriente», «A Princesa e o Mágico», «A Ave Encantada»), alegóricas, fantásticas e barrocas, aliando a poesia do fundo à delicadeza da forma, que nós (e não somos os únicos) continuamos a preferir. J.M.

LEGENDAS DAS ILUSTRAÇÕES:
Primeira página de "O Império Enlutado", publicada n' "O Mosquito" n° 805, em 12 de Março de 1947
Última vinheta publicada no n° 815, em 16 de Abril de 1947

______________________________________________________

ULISSES (XII e XIII)
Texto e desenhos de Jobat



_____________________________________________


 
Locations of visitors to this page