sexta-feira, 26 de novembro de 2010

BDpress #198: Erica Franco na VISÃO sobre NEWBORN, de Ricardo Cabral + Pedro Cleto no Jornal de Notícias sobre a exposição SINFONIA QUADRIPOLAR na Galeria da Mundo Fantasma e o REGRESSO SE BLAKE E MORTIMER + UM VÍDEO SOBRE A LIVRARIA TIMTIM POR TIMTIM, NO PORTO (in Sapo Notícias)



Revista Visão, 25 Novembro 2010

ESBOÇOS DA REALIDADE

NEWBORN, 10 DIAS NO KOSOVO, JÁ ESTÁ NAS LIVRARIAS

O seu autor, Ricardo Cabral, encontrou no desenho, a sua maneira muito própria de “desvendar lugares”. Fomos conhecê-lo.

Por Erica Franco

Olho em volta e tento imaginar como terá sido para estas pessoas passar pelo que aconteceu há pouco mais de dez anos... e voltar depois a uma vida aparentemente normal...», assim escreve Ricardo, numa das páginas do seu mais. recente livro, Newborn., 10 Dias no Kosovo (ASA).

ÀVISÃO explica que se vê como um «turista perdido que usa o desenho para interagir com o meio ambiente». Os cadernos de esboços de vários tamanhos, espalhados numa secretária de um estúdio partilhado com outros artistas [The Lisbon Studio], são testemunhas de um percurso em que o desenho se assume como o protagonista. «Sempre desenhei», diz Ricardo, ilustrador (claro), 31 anos, lisboeta, licenciado em pintura pela Faculdade de Belas-Artes da sua cidade. Em 2007, publicou o seu primeiro álbum de banda desenhada: Evereste. Mas foi uma viagem a Israel, em 2009, que o colocou no caminho, até então improvável, dos diários de viagem, dando origem ao Israel Sketchbook, precursor deste NewBorn., 10 dias no Kosovo. «A ideia só surgiu depois... quando regressei», explica Ricardo.

«Trouxe uns quantos cadernos cheios de desenhos e foi então que, em conversa, os mostrei à minha editora. Disse-lhe que gostava de fazer alguma coisa com eles e ela respondeu-me: 'Acaba, faz um livro e depois nós publicamos'.»

Ricardo confessa «algum receio» em relação à reação dos leitores, já que o seu estilo, muito particular - que evoca os trabalhos de Joe Sacco, uma influência indireta entre outros artistas que inspiraram o seu traço - «foge muito aos modelos mais tradicionais da banda desenhada ou da ilustração». No entanto, as suas opções reforçaram-se neste livro, e o motivo é simples: «Acho que o desenho tem uma capacidade para não só captar visualmente o aspeto das coisas mas fazê-lo de uma maneira crítica, porque resulta de tudo aquilo que uma pessoa está a sentir no momento da criação; nesse aspeto o desenho é uma coisa viva, não é um instantâneo como a fotografia.»

'Olhar para o futuro'

À pergunta mais óbvia, «o que quer, afinal, mostrar com este registo?», responde sem pretensões: «Eu só consigo mostrar aquilo que vejo e que acontece à minha frente. Não tenho, nem com o livro sobre Israel nem com este qualquer pretensão de fazer um comentário politico ou histórico. É verdade que são dois países especiais, um em permanente conflito e outro saído dum conflito, há pouco tempo, mas que têm, em ambos os casos, toda uma vida a acontecer e eu tento fazer o registo dessa vida.»

Mas há lugar a surpresas, claro. «Pensei encontrar um país martirizado pela guerra. Das notícias das valas comuns, das deportações forçadas, dos milhares de refugiados e desaparecidos, era de esperar um país cinzento, triste, mas a vida decorre normalmente... e as raparigas aqui são realmente bonitas» - eis as primeiras impressões de Ricardo acerca do Kosovo, registadas no livro, que, à semelhança do seu predecessor, surgiu de forma mais ou menos inesperada. «Não fui ao Kosovo com o objetivo de fazer este livro», diz. Mas o fracasso do projeto inicial que o levara ao novo país - um álbum de banda desenhada tradicional, encomendado por uma editora francesa, que contaria uma história passada na altura da independência - deu origem a uma outra oportunidade e nasce assim NewBorn, uma maneira diferente de sentir e retratar uma nação que começa a dar os primeiros passos em direção ao futuro. Mas, à semelhança desse caminho, a viagem de Ricardo não foi livre de percalços... «Vivi muitos episódios... Até me partiram uma máquina fotográfica acabada de comprar», conta Ricardo, que se foi apercebendo de que não se pode encarar sempre com ligeireza e descontração a realidade de um país que sofre as sequelas de um conflito: «Embora as pessoas queiram olhar para o futuro com esperança e pôr para trás tudo aquilo de mau que se passou, ainda há questões a resolver, no Kosovo.» Com outro alcance, um episódio retratado no livro que «visualmente ilustra essa tentativa de esquecer o que aconteceu» é o desenho que mostra as fotografias dos desaparecidos na guerra ainda presas às grades do Parlamento kosovar: «São centenas de retratos que estão lentamente a desaparecer e sente-se que isso é um pouco o que se passa com a memória das pessoas.»

'Sentir o lugar'

De onde vem a inspiração? Ricardo não consegue precisar. «Às vezes, são coisas tão banais como encontrar um sítio à sombra, onde eu me posso sentar e ficar uma hora a fazer um desenho... Outra vezes, perante uma cena de rua, um prédio, uma paisagem, sinto que não posso deixar de desenhar. É sempre subjetiva a escolha e eu próprio posso não escolher sempre de maneira consciente... No fundo, acho que o desenho surge um bocado por acaso», mas, acima de tudo trata-se, como acrescenta, de «sentir o lugar e de senti-lo através do desenho». Este «sentir através do desenho» é, afinal, a forma que Ricardo encontrou para captar os lugares e suas realidades quotidianas, para lá da superficialidade ou dos estereótipos, políticos e sociais, apanhados nos noticiários: «Encontrei uma maneira própria de, através da abordagem da viagem, desvendar esses lugares, que nos são familiares mas desconhecidos, como Israel ou o Kosovo; que aparecem constantemente nas notícias mas de que não sabemos muito, em concreto.» Apesar de não saber ao cena o que lhe reserva o futuro em termos de projetos pessoais – a China aparece como um possível destino, mas, para já, os planos para novas viagens e novos livros estão em aberto – Ricardo quer continuar a fazer algo dentro de um registo que, acredita, ainda não esgotou as suas potencialidades. «O que me deixa feliz, neste momento, é que eu sinto que posso debruçar-me sobre o que quer que seja, posso ir à procura de coisas, falar sobre elas, mostrá-las... É só uma questão de trabalhar.» Embora lá!

CAIXA
O LIVRO 'O que somos'
Uma edição surpreendente no mercado editorial português, pouco dado a registos híbridos. Comercialmente arriscados. Mas Ricardo Cabral merece totalmente a oportunidade, com o seu modo único de contar histórias, desenhando, com poucas palavras.
O melhor elogio a este projeto vem no prefácio, assinado por Agron Bajrami (diretor de um jornal kosovar): «A forma como Ricardo nos desenhou reflectiu exatamente o que somos.» P.DA

Algumas páginas do livro:






______________________________________________________
Jornal de Notícias, 20 de Novembro de 2010

EXPOSIÇÃO A QUATRO MÃOS NA MUNDO FANTASMA

F. Cleto e Pina

“Sinfonia Quadripolar” é o título da exposição de ilustração e banda desenhada que é inaugurada hoje [dia 20 de Novembro], às 17 horas, na Galeria Mundo Fantasma, junto à loja especializada em BD com o mesmo nome, no Centro Comercial Brasília, no Porto.

Patente até 2 de Janeiro de 2011, esta é uma mostra a quatro mãos pois reúne originais de Pepedelrey, Nuno Duarte, Ricardo Venâncio e João Tércio, que estarão presentes para conversar com os visitantes e autografarem algumas das suas obras, entre as quais “The Lisbon Studio Mag”, uma revista semestral que serve de cartão de apresentação e portfolio ao colectivo com o mesmo nome, que todos integram.

À frente do projecto está Pepedelrey, editor e responsável pela El Pep, uma pequena editora independente, que tem publicado os projectos destes quatro autores. Para além disso, Pepedelrey é também desenhador e argumentista de livros como “Virgin’s trip” ou “Paris Morreu”. Este último, um policial negro, tem a assinatura gráfica de Nuno Duarte, também responsável, num registo completamente diferente, pelo pouco sociável “Mocifão”, personagem nascida online (http://mocifao.blogspot.com/), mas cujo segundo livro já está quase pronto.

Quanto a Ricardo Venâncio, publicou no ano passado o primeiro tomo de “Defier”, uma narrativa pós-apocalíptica, tendo chegado a trabalhar com C. B. Cebulski, um “caça-talentos da Marvel, numa BD de ficção-científica intitulada “No Quarter”, projecto entretanto suspenso
Finalmente, João Tércio lançou este ano o seu primeiro livro, “Março Anormal”, uma reflexão crítica e sarcástica sobre o tempo actual e os seus ícones.

Os quatro autores possuem estilos e temáticas diferentes, traduzidas em discursos gráficos díspares mas não inconciliáveis, agora mostrados num mesmo local, o que permite distinguir afinidades e divergências nas suas visões diferenciadas de uma mesma realidade.


_______________________________________________________________-


Jornal de Notícias, 26 de Novembro de 2010

O REGRESSO DE BLAKE E MORTIMER

F. Cleto e Pina

Chega hoje às livrarias nacionais um dos álbuns de banda desenhada mais aguardados do ano. Lançado pela ASA em simultâneo com a edição original francesa, trata-se de uma nova aventura de Blake e Mortimer, mais concretamente “A Porta de Orfeu”, o segundo tomo do díptico “A Maldição dos Trinta Denários”, que levou os fleumáticos heróis britânicos até à Grécia, onde teriam sido descobertas as moedas com que Judas foi recompensado por ter entregue Jesus Cristo ao sinédrio judaico.

Partindo de uma boa conjugação entre factos históricos, a tradição judaico-cristã e ficção, Jean Van Hamme construiu uma intriga forte e credível, situada em meados dos anos 50 do século passado. Nela, estes dois heróis de referência da BD franco-belga, criados por Edgar. P. Jacobs em 1946, têm que defrontar mais uma vez o coronel Olrik, desta vez coligado com um antigo oficial nazi que pretende restaurar o III Reich com a ajuda da maldição associada às moedas.

Maldição que parecia ter também afectado a génese da obra, pois o primeiro tomo, sofreu diversos atrasos, o último dos quais causado pelo falecimento súbito do seu desenhador, René Sterne, tendo a obra sido concluída mais tarde pela sua esposa, Chantal De Spiegeleer.

Para este tomo, a parte gráfica foi entregue a Antoine Aubin, um autor sem grande experiência em banda desenhada mas que conseguiu entrar no espírito da obra com um traço a um tempo artesanal e dinâmico, tendo contado com o auxílio de Étienne Schreder nos cenários e na passagem a tinta. O resultado foi de tal forma satisfatório que Van Hamme prepara já novo argumento de Blake e Mortimer para ele desenhar.

A edição portuguesa da ASA tem também como aliciante a existência de duas capas diferentes, uma igual à original e outra, exclusiva para uma cadeia nacional de livrarias.


As quatro capas: em baixo as da FNAC (ou será ao contrário?)

____________________________________________________________

Uma vida aos quadradinhos

Vídeo sobre a Livraria Timtim por Timtim, no Porto (in Sapo Notícias)

Alberto Gonçalves tem no Porto desde 2003 uma livraria especializada em banda desenhada antiga. A Timtim por Timtim é uma referência em quadradinhos do século passado e é a melhor do género no país, nas palavras de um dos clientes fiéis da livraria.
Veja o vídeo "Uma vida aos quadradinhos" AQUI
________________________________________________________________

Imagens da responsabilidade do Kuentro
________________________________________________________________
 
Locations of visitors to this page