terça-feira, 20 de setembro de 2011

JOBAT NO LOULETANO – 9ª ARTE - MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (IX e X) – ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” – VITOR PÉON, O AMIGO E O ARTISTA (4 e 5)

ATENÇÃO: O Blogger instalou agora uma modalidade diferente para ver as imagens quando se clica nelas. Agora, quando queremos ver as imagens ampliadas, é preciso, quando elas aparecerem na nova pantalha, clicar no link pequenino que aparece ao fundo, do lado esquerdo. Não se consegue desativar esta nova modalidade, portanto...


9ª ARTE
MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (IX - X)


NOSTALGIA (9)
ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” 

VITOR PÉON, O AMIGO E O ARTISTA – 4

por José Batista

O meu convívio com Vítor Péon após o seu regresso a Portugal, em 1974, não foi longo, pois em meados do ano seguinte, naquelas reviravoltas que a vida nos impõe, fixei residência no Algarve. Isso afastou-me do meio onde no último quarto de século desenvolvera a actividade profissional e, inclusive, dos muitos amigos com os quais privei durante anos. Porém, embora não muito longa, a presença assídua de Péon nesse conturbado mas rico período, no meu atelier, proporcionou-me conhecer mais intimamente o seu lado humano, a dimensão desconhecida do artista que só um convívio pessoal permite.

Desiludido pela instabilidade que esse género de arte — a BD — oferecia, em Portugal, a quem dela quisesse subsistir profissionalmente, (lembremo-nos do grande Carlos Paredes, numa outra área artística, arquivista de películas de Raio X, num hospital para poder sobreviver) Péon, chegou, em determinados períodos da sua vida, a decorar mobílias rústicas alentejanas como recurso para enfrentar situações imprevistas difíceis. Rarissímas vezes o destino estende a passadeira vermelha ou facilita o percurso aos artistas que persistem em sê-lo. Em Portugal, poucos viveram exclusivamente como profissionais da BD. José Ruy foi muitos anos funcionário do Anuário Comercial; José Garcês, no Instituto Meteorológico; Fernando Bento, na B.P.; Jaime Cortês, foi cobrador numa empresa, e E.T. Coelho, foi forçado a emigrar, findo "O Mosquito", isto só para falar nos nomes mais sonantes dos ilustradores nacionais.

Mas voltemos a esse curto período em que me foi dado conhecer o lado humano desse fecundo artista chamado Vítor Péon.

Para além de esboçar com uma facilidade espantosa, era simultaneamente possuidor de uma cultura ampla e diversificada. Obrigado pelas restrições impostas pela censura, nos anos 50, embrenhou-se por necessidade e por gosto nos temas históricos, mormente nos pátrios.

Possuía um rico, vasto e bem documentado arquivo nessa área, fruto de laboriosas horas de pesquisa na Biblioteca Nacional, em Lisboa, pois nesses recuados tempos, as edições especializadas eram raras e caras. Aí encheu muitos cadernos com rascunhos de trajes a mobiliário, de arquitectura a utensílios, para que a verdade da ilustração correspondesse à época referida. Tal como Péon, por lá andaram todos os ilustradores desses anos, inclusive, o autor destas linhas.

Logo após 74 houve uma onda revivalista com a reedição de muitos trabalhos publicados nos anos 40 a 60. Foi "O Jornal do Cuto", dirigido por Roussado Pinto, que iniciou a publicação das histórias do ETC, Jesus Blasco e Vítor Péon. Esse período de convívio coincidiu com a edição da última história de Tomahawk Tom, desenhada e publicada por Péon em álbum. Fez dela, também, uma edição em Francês que não chegou a ser distribuída.

De espírito alegre, expansivo e extrovertido, Péon "sentia" tanto o enredo das histórias que criava como a planificação das vinhetas que esboçava. Aceitou sorridente o termo por mim utilizado em relação à sua juvenil vivacidade, e ao entusiasmo que demonstrava ao descrever certas peripécias em que envolvia os seus personagens: — És uma criança grande, Péon !

Até certo ponto, creio que o foi durante toda a sua vida.

Inclusive por ter alimentado algumas ilusões, possíveis de realizar num País, que não Portugal, sofreu consecutivas desilusões, findando os seus dias apenas com o nome, — nada mais além do que isso —, com que assinou centenas e centenas de páginas que entretiveram e fizeram sonhar uma geração na qual com orgulho e saudade me incluo.

Soube após a minha deslocação para o Algarve, que ministrou cursos de BD, fez exposições de pintura, cinema de animação, editou opúsculos também sobre BD, até que, em Outubro de 85, é acometido de uma trombose vascular que o deixa fisicamente diminuido.

Visitei-o, depois disso, na sua casa de Carnaxide, aquando de uma deslocação a Lisboa. Foi penosa a visita. Impossibilitado de se exprimir de forma perceptivel pela fala, Péon era uma sombra de si mesmo, um vulcão sem chama que apenas rugia. Mas a paixão pela arte, que mesmo incapacitado o dominava, levaram-no, com a mão esquerda disponível, a esgotar a chama criadora que ainda existia dentro de si. Pintou, mesmo diminuido, quadros a óleo para mais do que uma exposição.

Não posso afirmar que me surpreendeu a sua morte, em Novembro de 91. Mas chocou-me muito mais o esquecimento a que foi votado pelos organismos oficiais, quando no fim dos seus dias mais necessitava de apoio. O contrário, por inusual, espantar-me-ia.





_____________________________________________________________



NOSTALGIA (10)
ILUSTRADORES PORTUGUESES NAS PÁGINAS DE “O MOSQUITO” 

VITOR PÉON, O AMIGO E O ARTISTA – 5

por José Batista


Como em muitos outros ilustradores de BD, Vitor Peon denota nalgumas das suas vinhetas a influência que grandes mestres neste género de arte sobre si exerceram ao longo da sua extensa produção. Ao referir as fontes onde o ilustrador artisticamente se inspirou, visamos unicamente fornecer elementos para análise da sua obra e não de modo algum diminuir o mérito ou a dimensão do seu labor como autor de BD. Como acima se assinala, esse foi um factor comum a praticamente todos os ilustradores – extensivo, também, como é óbvio, a várias áreas no campo da criação artística, tais como, pintura, escultura, música, literatura, etc, etc, pois nenhum grau elevado de arte o é de geração espontânea, desinserido do que até aí se produziu. Se bem analisarmos os trabalhos da maioria dos desenhadores nacionais notar-se-á, nalguns deles, a influência de grandes mestres do seu tempo, décadas de 40 e 50 – Hall Foster, Alex Raymond e Burn Hogarth, prioritariamente. Lógico que Péon não poderia fugir à regra. Não esquecer que o próprio E.T. Coelho foi, com o seu estilo límpido, harmonioso e pleno de acção – verdadeiro poeta da linha, como lhe chamou Emílio Freixas, – fonte de inspiração para muitos dos desenhadores que despontaram nesse período. Todo o artista reflecte, de forma acentuada ou não, quando já profissional, os contributos que assimilou entre aqueles que admirava e que por vezes, inconscientemente, escolheu como referência ou modelo.

__________________________________________________________

ULISSES (VI e VII)
Texto e desenhos de Jobat


____________________________________________

Agradecimentos a Jobat pelo envio dos materiais
____________________________________________

 
Locations of visitors to this page