quarta-feira, 5 de setembro de 2012

ATRIBUIÇÕES DOS X TROFÉUS CENTRAL COMICS E... ALGUNS COMENTÁRIOS



X TROFÉUS CENTRAL COMICS 2012 

Os X Troféus Central Comics foram atribuídos no passado dia 2 de Stembro, no Hard Club do Porto (Mercado Ferreira Borges). Fica aqui a listagem. Os comentário, vêm no final do post. 

I - MELHOR PUBLICAÇÃO NACIONAL


As Extraordinárias Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy vol.2 – Apocalipse (Tinta da China) 38,06% 
Zona Monstra* (Associação Tentáculo) 30,65% 
Pop Rock: Trabalhadores do Comércio (Tugaland) 8,39% 
A Ermida (Polvo Edições) 6,77% 
A Arte de Under Siege (Edições Asa) 4,19% 
Futuro Primitivo (Associação Chili com Carne) 3,87% 
É de Noite que faço as Perguntas (Saída de Emergência) 3,23% 
O Pequeno Deus Cego (Kingpin Books) 2,90% 
Pontas Soltas – Cidades (Edições Asa) 1,29% 
Li Moonface (Pedranocharco) 0,65% 

II - MELHOR PUBLICAÇÃO ESTRANGEIRA


Blankets (Devir Edições) 31,65% 
Scott Pilgrim 4 – Agora é a Sério (Booksmile) 25,32% 
As Águias de Roma I (Edições Asa) 14,77% 
Os Emigrantes (Kalandraka) 11,81% 
Os Incontornáveis da BD: O Gato do Rabino (O Público/Asa) 10,97% 
Mattéo – Segunda Época (VitaminaBD) 5,49% 

III - MELHOR PUBLICAÇÃO CLÁSSICA


Corto Maltese – As Etiópicas (Edições Asa) 41,70% 
Dragon Ball 15 – Rivais Poderosos (Edições Asa) 21,08% 
Adele Blanc-Sec vol.3 (Edições Asa) 17,49% 
Os Incontornáveis da BD: O Vagabundo dos Limbos (O Público/Asa) 10,76% 
Os Incontornáveis da BD: Max Fridman (O Público/Asa) 4,93% 
Lance vol.3 (Libri Impressi) 4,04% 

IV - MELHOR PUBLICAÇÃO HUMOR 


Há Piores! (Polvo) 35,98% 
Dilbert – Liberdade é só uma Palavra para as Pessoas descobrirem que és Incompetente (Edições Asa) 20,09% 
Zits 16 – Dá-lhe Gás (Gradiva) 14,02% 
As Odisseias de um Motard vol.5 (Motorpress) 12,15% 
Tudo sobre os Solteirões (Edições Asa) 11,68% 
Baby Blues 28 – Corta! (Bizâncio) 6,07% 

V - MELHOR PUBLICAÇÃO "TÉCNICA" ?


BDjornal #27 (Pedranocharco) 35,44% 
Catálogo World Press Cartoon 2011 (WPC/C.M.Sinta) 18,14% 
Tintim e a Alph Art (Edições Asa) 15,61% 
Manga: Passo a Passo (Loft) 11,81% 
Catálogo Tinta nos Nervos (Museu Colecção Berardo) 9,70% 
Rotas e Percursos – Veneza, percurso com Corto Maltese (O Público/Asa) 9,28% 

VI - MELHOR PUBLICAÇÃO "INDEPENDENTE" AMADORA 


Venham +5 vol.8 (Bedeteca de Beja) 44,21% 
Cidade Suja (El Pep Edições) 17,60% 
Lodaçal Comix (Ruru Edições) 12,88% 
BDLP #1 (Extratus) 11,59% 
Mr.Klunk e Sr. Klaxon (Livros Espontâneos) 11,59% 
Mores et al (Topedro) 2,15% 

VII - MELHOR OBRA CURTA


Animália – Paris Je t’Aime; Pedro Carvalho & André Oliveira (in Zona Monstra) 37,50% 
A Garagem de Kubrik; Carla Rodrigues & J.B. Martins (Total Film) 25,74% 
Onde Jaz o teu Sorriso; Joana Afonso (in BDLP #1) 18,75% 
Eu sou uma Nódoa; Nuno Duarte (in Tertúlia BDzine #159) 12,87% 
Seattle; Dinis Conefrey & Maria João Worm (in Venham+5 #8) 4,04% 
Lig & Mandu: A Alegoria do Palhaço; Nelson Martins & P. Couto e Santos (in Tertúlia BDzine #163) 1,10% 

VIII - MELHOR ARGUMENTO


Filipe Melo (As Extraordinárias Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy vol.2) 39,08% 
André Oliveira (Zona Monstra) 32,75% 
David Soares (É de Noite que faço as Perguntas) 10,92% 
João Mascarenhas (O Menino Triste: Punk Redux) 7,04% 
Rui Lacas (A Ermida) 5,28% 
Filipe Pina (A Arte de Under Siege) 4,93% 

IX - MELHOR "ARTE" DESENHO 


Jorge Coelho (É de Noite que faço As Perguntas) 25,74%
Filipe Andrade (A Arte de Under Siege) 24,47% 
Rui Lacas (A Ermida) 16,03% 
José Garcês (O Lince Ibérico) 11,81% 
Pedro Brito (Pop Rock: UHF) 10,97% 
Ricardo Cabral (Pontas Soltas – Cidades) 10,97% 

X - TROFÉU ESPECIAL DO JÚRI 


Fernando Relvas 
______________________________________________________

O poster do X Troféus Central Comics foi ilustrado por André Caetano, ilustrador e autor de BD. Agradecemos a participação como Parceiros do TCC: Apenas Livros, Arga Warga Edições, Edições Asa, O Lobo Mau, Pato Profissional, Pedranocharco e Tinta-da-China Edições.

Foi ainda anunciado no final da cerimónia a realização no último trimestre de um 2º prémio TCC, intitulado Troféus Central Comics: Heróis da Década (TCC-HD), que propõe ao grande público votar nos “melhores dos Melhores”, definindo assim quais os autores e obras preferidas nestes primeiros dez anos de prémios, integrando os vencedores do XTCC agora revelados. Serão divulgados em breve mais dados sobre a iniciativa, cujo resultado será ser anunciado em 2013, no III Portusaki, junto com os XI TCC."
______________________________________________________

(*) Nota: A revista Zona é uma publicação amadora (porque a Tentáculo é uma Associação sem fins lucrativos), seguindo a metodologia adoptada, não devia estar nesta Categoria, mas sim na VI .
______________________________________________________

COMENTÁRIO 

Como é sabido, mantivemos uma acesa polémica aqui no Kuentro, depois de ser tornada pública a alteração aos “Estatutos” destes Troféus no ano passado. Após um aturado trabalho de pesquisa de informação, que me levou a contactar todas as entidades públicas (e também o gabinete jurídico de uma entidade privada, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) responsáveis pelos pressupostos legais da edição e publicação de livros e revistas neste país, redigi depois os fundamentos para uma proposta de Regulamentos para os TCC – onde incluí um preâmbulo (Considerações Prévias) com as definições técnicas entretanto reunidas através da pesquisa acima mencionada. Este trabalho pode ser visto AQUI no Kuentro, publicado em 21 de Dezembro de 2011.

Refira-se que esse texto, no que se refere ao tal preâmbulo, digamos técnico, não reflecte a minha opinião pessoal, mas sim as definições obtidas e deduzidas da pesquisa feita.

Ora, assim que recebi a listagem de nomeados para estes X TCC, verifiquei que as designações das Categorias e arrumação dos títulos havia melhorado substancialmente e depois de uma troca posterior de emails as coisas ainda ficaram melhor organizadas (apesar da inclusão da revista Zona Monstra - que é uma publicação amadora - na primeira categoria, apesar de não considerar isso grave, mas incoerente, porque nesta categoria deviam constar TODAS AS PUBLICAÇÕES NACIONAIS, fossem amadoras ou profissionais, mas enfim), mas acabou por persistir, pelo menos, um erro técnico clamoroso - Melhor "Publicação Técnica" - e dois erros evitáveis, nas próprias designações - Melhor Publicação "Independente" e Melhor "Arte". 

Na primeira, entre os títulos BDjornal #27 (Pedranocharco), Catálogo World Press Cartoon 2011 (WPC/C.M.Sinta), Tintim e a Alph Art (Edições Asa), Manga: Passo a Passo (Loft), Catálogo Tinta nos Nervos (Museu Colecção Berardo), Rotas e Percursos – Veneza, percurso com Corto Maltese (O Público/Asa), só existe uma única publicação Técnica, que é Manga: Passo a Passo (da Loft)! O resto não são publicações Técnicas. Considerar uma revista generalista de BD, dois Catálogos de exposições, um guia de viagens e um álbum inacabado, como Publicações Técnicas é tão ridículo que só retira credibilidade aos TCC.

As outras duas Categorias que refiro, enfermam de designações que podem dizer alguma coisa à cultura (ou falta dela) americana, mas que na Europa não se aceitam, de todo.

Na segunda, referi expressamente no texto acima citado, que em Portugal não pode de modo nenhum considerar-se que existam Editores “Independentes” – esta palavra é um adjectivo, importado dos comics (nos EUA fizeram sentido os indy, contra as mega editoras nos anos 1990)  –  porque é preciso que haja um substantivo associado: independentes de quê, ou de quem? O que haverá são editores alternativos - ou amadores (ou underground, em oposição ao mainstream), além dos profissionais (Asa, Gradiva, VitaminaBD, Polvo, Kingpin Books, Pedranocharco, Libri Impressi, etc...) e das edições de autor (também amadoras). Em última análise, a palavra "independentes" só serve para baralhar o público.

Quanto à terceira, o que é a “arte” num livro, mesmo de BD? Será a arte da impressão do livro (as chamadas artes gráficas), o design, a capa, o texto literário? A BD é um meio de comunicação e cultura popular, que reune o conjunto de duas artes: a literatura (o argumento) e o desenho (mais a pintura, etc...). Chamar “arte” apenas ao desenho é remeter o argumento para a “não arte” – o que é uma idiotice, uma vez que sem texto literário não há banda desenhada, mesmo que ela não apresente palavras (ou mesmo que o texto não seja escrito senão na cabeça do autor). Porquê então esta designação copiada dos comics, que, como se sabe não primam pela racionalidade?

Em consequência disto tudo, comuniquei à organização que retirava os títulos por mim editados (como editor profissional com declaração dessa actividade nas Finanças) seleccionados para a votação. No entanto, dado que a listagem de nomeados já estava divulgada, comuniquei que recusava qualquer Troféu, na eventualidade de ganhar algum.

Recuso portanto o Troféu Central Comics atribuído ao BDjornal #27, na Categoria de Melhor Publicação "Técnica", uma vez que o BDj não é uma publicação técnica, mas uma publicação generalista de entretenimento e informação.

E já agora, seria desejável que a organização não publicasse apenas as percentagens obtidas nas votações, mas também o número total dos votantes, para a transparência ser eficaz neste aspecto - afinal, até nos actos eleitorais se publica sempre o número total dos votantes. Prezo muito os TCC e daí que me tenha embrenhado neste diferendo com a organização – mas os TCC terão que ser muito claros e concisos em todos os aspectos.

POR UNS TROFÉUS CENTRAL COMICS
TRANSPARENTES, CLAROS E CONCISOS!!!

_________________________________________

 
Locations of visitors to this page