terça-feira, 25 de setembro de 2012

JOBAT NO LOULETANO — 9ª ARTE — MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA (LXXII e LXXIII) — A PAIXÃO DE ROUSSADO PINTO (4 e 5 - conclusão) — TEXTO DE MANUEL CALDAS



NONA ARTE 
MEMÓRIAS DA BANDA DESENHADA 
(LXXII — LXXIII) 

O Louletano, 20, Setembro, 2005 

A PAIXÃO de ROUSSADO PINTO (4) 

por: Manuel Caldas 

De qualquer modo, a verdade é que o Jornal do Cuto deixava de se publicar, o que era uma perda irreparável. Para trás haviam ficado páginas de excelentes bandas desenhadas, em especial três episódios do Rip Kirby de Alex Raymond, dois do Buz Sawyerà de Roy Crane notavelmente reproduzidos, um do Garth de Steve Dowling e outro de Prank Bellamy, a série Moira, a Escrava de Roma, de Alberto Salinas, A Casa da Azenha, de Vitor Peon e Raul Correia, uma enorme parte do Cisco Kid, vári­as histórias de­senhadas origi­nalmente para O Mosquito por Eduardo Tei­xeira Coelho (em especial A Lei da Selva, O Tesouro, Lobo Cinzento e o iní­cio de O Cami­nho do Oriente) e várias dese­nhadas por Jesus Blasco (os seus clássicos Anita Diminuta, Cuto nos Domínios dos Sioux e Tragédia no Oriente, de que foi também o argumentista, repro­duziram-se a partir dos originais do artista no primeiro caso e de excelentes provas no segundo e terceiro, infelizmente comple­tamente remontadas), assim como um episódio do extraordiná­rio "western" Matt Marriott. E para além disso, destaque espe­cial para o facto de ter sido no Jornal do Cuto que pela primeira vez em Portu­gal se publi­cou o início de Prince Valiant e de Mandrake, as pranchas do­minicais do Tarzan de Russ Manning e (numa reprodução perfeita) o Flash Cordon de Alex Raymond; e que tiveram estreia mundial as primeiras vinte e seis pranchas do episódio de Cuto Crime Mundial Inc (que, de resto, o autor não chegaria a concluir). Estas pranchas de um espanhol e seis do português José Batista no número 49, sob o título de Trinca-Fortes, foram as únicas absolutamente inéditas que o Jornal do Cuto publicou.

O REGRESSO

Poucos meses depois da interrupção da sua publicação, a ausên­cia do Jornal do Cuto seria em grande parte colmatada pelo Mundo de Aventuras, ao entrar, sob coordenação de um certo Jorge Maga­lhães, na melhor fase da sua já longa existência. Mas, ainda que o novo Mundo de Aventuras se apresentasse também com a tal capacidade de surpreender que era uma das características do Jornal do Cuto, a revista de Roussado Pinto continuava a fazer falta devido às outras características muito próprias.



_______________________________________________________

O Louletano, 27, Setembro, 2005

A PAIXÃO de ROUSSADO PINTO (5) 

por: Manuel Caldas 

O primeiro número da nova fase não era, no entanto, o número um de uma nova série. Antes se retomava a numeração, o que foi pena porque a revista tinha características que a distinguiam enormemente do que tinha sido e teria sido muito mais correcto o início de uma nova série. E os números seguintes permitiram bem depressa ver o quanto era diferente: apesar de se publicar semanalmente — com trinta e seis páginas, a primeira e a última a cores, e custando 10$00 —, já não retoma a fórmula das séries cm continuação, antes prefere as histórias comple­tas, ignora as que haviam ficado por concluir, recorre a coisas antigas apenas excepcionalmente, não mais volta a publicar Eduardo Teixeira Coelho nem destacáveis ou separatas, os artigos sobre autores de banda desenhada deixam de ser de Roussado Pinto, o correio dos leitores não regressa e... nunca recupera a capacidade para surpreender. É mesmo assim uma revista bastante interessante, agora com um aspecto gráfico bom (apesar de se manter a abundância de gralhas), algumas histórias já legendadas manualmente, as indispensáveis me­mórias do seu director (lamentavelmente tendo durado pouco) e em todos os números uma prancha de Prince Valiant dos anos 50 muito bem reproduzida.

Nesta nova fase, o Jornal do Cuto também não chega nunca a melhorar, mas sofre mesmo assim várias transformações: primeiro torna-se quinzenal, depois reduz para vinte o número de páginas e para vermelho (mais tarde substituído por verde) apenas as cores da pri­meira e da última páginas, e por fim passa a mensal, retomando as co­res perdidas e as trinta e seis pági­nas. Era evidente o esforço de Roussado Pinto para que, acima de tudo, a revista em que punha toda a sua paixão pela banda desenhada sobrevivesse. De referir que ele, ao mesmo tempo e desde sempre, foi publicando outras revistas de BD de vida mais ou menos curta e de qualidade entre o muito mau e o bom, sendo de destacar, porque verdadeiros complementos do Jornal do Cuto, a Enciclopédia 'O Mosquito', a Colecção Jaguar e O Grilo.

O FIM

Apesar dos muitos esforços, com o número 174, datado de 1 de Julho de 1978, o Jornal do Cuto suspende pela segunda vez a sua publica­ção. As razões agora apresentadas eram ainda mais negras do que aquando da primeira. Rous­sado Pinto queixava-se da falta de papel e do aumento do seu custo em mais de 300 % (mais uma vez, o Mundo de Aventuras e o Tintin continuaram a publicar-se durante meses sem aumento de preço - concluindo-se que os núme­ros apresentados por Roussado Pinto tinham zeros a mais), de outros aumentos e de um fantasma que o perseguiria nos últimos anos: o da televisão. Escreveria ele que os revendedores só se interessavam por aquilo que vinha da televisão e "tudo se encaminha para o está­dio perfeito da sociedade de consumo, isto é, só é exposto e vendido aquilo para o qual as 'massas' são manipuladas através dos grandes meios de comunicação social."

E despedia-se com um "até breve - até à normalização da nossa vida económica".

Sabe-se que manteve sempre a vontade de retomar a sua revista, a sua paixão, que falou várias vezes de que estaria para breve, mas os sucessivos adiamentos e a sua morte inesperada em 1985, com 58 anos, impedi­ram-no definitivamente. Não tenho dúvi­das de que se tivesse vivido ainda o tempo que lhe era legítimo esperar viver, nos anos seguintes, de enorme pobreza no que res­peita a publicações periódicas de banda desenhada, teria campeado heróica e nota­velmente com uma nova fase do Jornal do Cuto. E como o seu pessimismo sempre foi passageiro, nem a proliferação de canais televisivos o teria impedido!





_______________________________________________________

PERRO NEGRO em A MORTE DA ÁGUIA
(2 e 3)
Benoit Despas (arg), José Pires (des)



_______________________________________________________
 
Locations of visitors to this page