domingo, 28 de abril de 2013

GAZETA DA BANDA DESENHADA (3) - NA GAZETA DAS CALDAS - O SALÃO MOURA BD



GAZETA DA BANDA DESENHADA (3)
NA GAZETA DAS CALDAS


in Gazeta das Caldas, 26 de Abril de 2013

O SALÃO INTERNACIONAL 
DE BANDA DESENHADA MOURA BD 

Decorre na cidade alentejana de Moura, desde o passado dia 19 até dia 1 de Maio, o XVIII Salão Internacional de Banda Desenhada “Moura BD” 2013.

Como normalmente acontece, o Salão homenageia três autores, agraciados com os troféus “Balanito” no decorrer de uma cerimónia no Cine-Teatro Caridade, daquela cidade, a realizar amanhã, dia 27 de Abril. Assim, Vassalo de Miranda, ilustrador, pintor e autor de BD, de 72 anos, receberá o “Balanito de Honra para Autores Portugueses”, o autor francês Hugues Barthe, de 48 anos, receberá o “Balanito de Honra para Autores Estrangeiros” e Zé Manel, cartoonista e autor de BD, de 69 anos, receberá o “Balanito Especial”. O seu trabalho pode ser visto nas exposições individuais que lhes são dedicadas.

As outras exposições do Salão são dedicadas a “Eça de Queiróz na BD” e ao “Centenário de Willy Vandersteen” (ambas comissariadas por Luiz Beira), e também a “Saramago em Caricaturas” (com trabalhos de autores portugueses e espanhóis), havendo igualmente a apresentação dos melhores trabalhos do 16.º Concurso de Banda Desenhada e Cartoon e do 14.º Concurso Escolar de BD.

Também como é tradicional, serão editados, o catálogo da exposição dedicada a Zé Manel e o número 9 dos Cadernos Moura BD, reeditando a BD “O Cabo das Tormentas”, de Vassalo de Miranda. Acrescente-se que este autor dedica a maior parte do seu trabalho na banda desenhada a uma temática muito pouco explorada pelos autores portugueses: a guerra colonial.


 As capas desta duas publicações não entraram na publicação por falta de espaço...

O Salão Moura BD tem tido assinalável sucesso em terras alentejanas, emparceirando com o Festival Internacional de BD de Beja a este nível, na divulgação e promoção da banda desenhada.

Tendo sido iniciado em 1991, denominando-se, nas primeiras 4 edições, Expo BD de Moura, começou por ser um “sucedâneo”, digamos assim, das Jornadas de BD da Sobreda (Concelho de Almada). Para tal contribuíram a vontade e o entusiasmo de Luíz Beira (fundador do GBS – Grupo Bedéfilo Sobredense e grande mentor das Sobreda BD) e o empenho do Director da Escola Secundária de Moura na altura, Prof. António Borralho que, tendo visitado o salão sobredense, logo aceitou a sugestão de uma digressão a Moura, com algum do material em exposição. Assim, em Maio de 1991 a Escola Secundária de Moura abria as portas à banda desenhada e dava início a uma aventura que já dura há duas décadas.

Em 1992, o Salão passou a ser organizado pela Câmara Municipal de Moura e foi realizado no antigo Café Cantinho, hoje a Secção de Moura do Conservatório Regional do Baixo Alentejo, que durante muitos anos albergou inúmeras iniciativas culturais promovidas pela Câmara ou com a colaboração desta. Carlos Rico, designer do departamento gráfico da autarquia, que já havia participado activamente (com desenho ao vivo) na primeira edição, passou a ser o organizador* — pela Câmara de Moura — e coordenador do Salão até hoje.

Nas primeiras edições, o Moura BD limitava-se a receber as exposições das Jornadas de BD da Sobreda, mas começou, de edição para edição, a autonomizar-se. Isto desde logo, com a criação, em 1993, dos primeiros Concursos de BD.

Em 1995, o Salão mudou novamente de local, para o Cine-Teatro Caridade, passando a ter parte da programação autónoma em relação às Jornadas de BD da Sobreda, e criando os troféus “Balanito” (pequeno balão — a cercadura dos diálogos na BD — em “língua alentejana”). Em 1997 o Moura BD já era completamente autónomo e reuniu um lote de exposições invejável, sendo a mais importante a dedicada aos “60 Anos do Príncipe Valente”, comissariada pelo especialista na matéria Manuel Caldas. A partir desta edição o Salão passou também a ter um tema específico para cada edição. Iniciou-se neste ano a colaboração com o Atelier Toupeira, dirigido por Paulo Monteiro, da Câmara Municipal de Beja, que viria a ser o embrião do Festival de BD de Beja.

Em 1999 o Salão realizou-se no 1.º andar do Mercado Municipal, em 2004 passou para o Convento do Castelo e mais tarde para uma tenda gigante na Praça Sacadura Cabral, em conjunto com a Feira do Livro, onde se realiza actualmente.

Deve dizer-se que a edição do Salão Moura BD com maior exito ocorreu em 2007**, com a exposição dedicada a Tex Willer, a personagem mítica do “farwest”, dos “fumetti” (designação da BD em Itália), editado pela Sergio Bonelli Editore, com a presença do desenhador transalpino Fabio Civitelli.

Tendo-se realizado quase sempre em Novembro - excepto a primeira edição, que ocorreu em Maio -, devido às condições meteorológicas, foi preciso mudar, primeiro para Maio, em 2007 e depois, com a junção com a Feira do Livro, para Abril.

O Salão Moura BD já editou, para além dos catálogos específicos das exposições (incluíndo os da vertente humorística, desde sempre dirigida por Osvaldo Macedo de Sousa, da Humorgrafe) e dos nove números dos Cadernos Moura BD, com um número extra dedicado a Fernando Bento, também uma colecção de cadernos, escritos por Jorge Magalhães, que são um extraordinário contributo para a investigação e fixação da História da Banda Desenhada, não só deste país***.

E é sempre com prazer que vamos a Moura, passando por Évora e pela barragem de Alqueva, desfrutando da paisagem e dos comeres alentejanos e depois, do revificador convívio que a banda desenhada nos proporciona.

A reportagem gráfica e fotográfica desta edição do Salão Moura BD poderá ser vista no blogue kuentro.blogspot.pt, a partir do dia 1 de Maio.

----------------------------------------------------------------

Adendas ao texto de Carlos Rico, que não puderam ser incluídos no texto final editado por falta de espaço: 

(*) A organização do salão é da responsabilidade da Câmara Municipal de Moura. Eu coordeno todo o processo, claro, mas sem a Câmara o salão não existiria, como é óbvio.

(**) Dizer isto talvez seja relativo. 2007 foi uma edição de grande sucesso, é verdade, mas 2004 (tema: “Idade Média”) e 2011 (primeira vez que Moura BD e Feira do Livro se realizaram em simultâneo) tiveram um sucesso muito parecido. Mas aceito a tua opinião porque o Tex e Civitelli fizeram com que Moura fosse falada em países como Itália, Brasil, Espanha… E nesse ano até tivemos um concorrente ucraniano (de Kiev) premiado no nosso concurso…

(***) Só como curiosidade, deixo-te “os números” do Moura BD (contando já com os deste ano): 18 edições realizadas, 222 exposições, 32 personalidades homenageadas, 29 concursos de banda desenhada e cartune e 29 álbuns, catálogos ou revistas editados (sendo que um foi premiado no Festival da Amadora com o Troféu para Melhor Fanzine, em 2010).

________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page