sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

BDpress #311: O CAVALEIRO ANDANTE NASCEU HÁ 60 ANOS – Pedro Cleto no Jornal de Notícias


Jornal de Notícias, 5 de Janeiro de 2012

O CAVALEIRO ANDANTE NASCEU HÁ 60 ANOS

COLECÇÃO COMPLETA DA REVISTA QUE ESTREOU 
EM PORTUGAL BLAKE E MORTIMER E LUCKY LUKE, 
PODE VALER 4000 EUROS

F. Cleto e Pina

A 5 de Janeiro de 1952, um sábado, surgia pelas primeiras vez nas bancas portuguesas o “Cavaleiro Andante”, um dos mais importantes títulos do jornalismo infanto-juvenil português.

A nova publicação vinha ocupar o lugar deixado vago pelo Diabrete uma semana antes por isso, ao contrário do habitual, havia quase uma sucessão pacífica, com títulos e colaboradores a passarem de uma para a outra.
Era o caso de Fernando Bento (1910-2010) que trazia para a nova revista o seu estilo elegante e personalizado, assinando logo no número inaugural as primeiras páginas de Beau Geste, baseado no clássico de P. Wren, uma das suas mais conseguidas criações, e também a capa, com um cavaleiro de armadura montado num fogoso corcel.

Essa mesma capa, que anunciava 20 páginas e 12 aventuras ilustradas pelo preço de 1$80, referia já dois dos aspectos que seriam recorrentes ao longo da sua existência: separatas para construir (no caso, um jogo de “Oquei em patins”) e concursos, sendo oferecido aos leitores um rádio Philips por semana! A revista distinguiu-se também pelas construções de armar e pelos suplementos que acolheu: “Pajem”, para os mais novos, onde colaborou Stuart Carvalhais, “Andorinha”, para as meninas, “Desportos e “Bip-Bip. Em paralelo, surgiu a colecção “Álbum do Cavaleiro Andante”, bem como alguns números especiais e de Natal.

No número inaugural, para além de Bento, o destaque ia para dois autores que marcariam a publicação: o italiano Franco Caprioli, autor de algumas das mais belas adaptações de clássicos da literatura, e Hergé, com “Tim-Tim no templo do Sol”. Ao longo dos anos, o Cavaleiro Andante estreou Jacobs (Blake e Mortimer) ou Morris (Lucky Luke), publicou Macherot (Clorofila), Jijé (Jerry Spring), Cuvelier (Corentin), Goscinny e Uderzo (Astérix) ou Tufts (Lance, rebaptizado “Flecha”, actualmente reeditado em álbum em Portugal), bem acompanhados pelos portugueses José Garcês, Artur Correia ou José Ruy.

Fruto da época e da pressão crescente da censura, a maior parte do seu material vinha de revistas católicas franco-belgas e italianas, obedecendo “a uma probidade e sensatez absolutas”, como escreve A. Dias de Deus em “Os Comics em Portugal”. A sua selecção esteva a cargo de Adolfo Simões Müller (1909-1989), que anteriormente dirigira “Papagaio”, “Diabrete” ou “Foguetão” que, ainda segundo Dias de Deus, soube conciliar “ as preferências da juventude” com “os condicionamentos impostos pelas normas de educação dita formativa”.

O Cavaleiro Andante, que também se destacou pelo bom papel e impressão, terminaria no nº 556, a 25 de Agosto de 1962. Hoje em dia, uma colecção completa, segundo alguns especialistas, poderá valer entre três e quatro mil euros, dependendo do estado de conservação e da pressa do comprador. Isto porque, quem tiver tempo e paciência poderá encontrar muitos números em leilões online ou em feiras de usados. Como é habitual nestes casos, os mais raros são os primeiros, mais antigos, os últimos, quando a tiragem era mais baixa, e os que correspondem à mudança de formato (nº 327), pois nesses a tendência para se deteriorarem era maior. Por isso, não se surpreenda se lhe pedirem até 100 euros pelo Cavaleiro Andante nº 1 ou o dobro daquele valor pelo nº 556.

(caixa)
Revistas de BD, o que é isso?

O Cavaleiro Andante e o Mundo de Aventuras (1949-1987) foram os últimos grandes títulos da chamada Idade de Ouro dos Quadradinhos nacionais (1940-1960), e, tal como o Mosquito e o Diabrete - que chegaram a ser publicados duas vezes por semana – atingiram tiragens de 50 mil exemplares e gozaram de uma popularidade que, nas décadas seguintes, só teria similar no “Tintin” português.

Hoje, são ecos de uma realidade inexistente pois, desde os anos 80, a BD, por toda a Europa, migrou progressivamente das tradicionais revistas com histórias em continuação, para o álbum completo.

Por isso, quem hoje for a uma banca em busca de histórias aos quadradinhos, mais não encontrará do que edições com sotaque brasileiro, que de há poucos anos a esta parte voltaram a marcar presença. É o caso dos títulos das criações de Maurício de Sousa, como Mônica, Cebolinha, Cascão, Chico Bento ou Ronaldinho Gaúcho, e dos super-heróis da Marvel e da DC Comics, entre os quais Homem-Aranha, X-Men, Wolverine, Batman ou Superman, e os protagonistas dos fumetti (BD) populares italianos, como Tex, Zagor, J. Kendall ou Mágico Vento.

VER TAMBÉM EM AS LEITURAS DO PEDRO

___________________________________________________


 
 

___________________________________________________

Imagens da responsabilidade do Kuentro

___________________________________________________

 
Locations of visitors to this page