terça-feira, 24 de abril de 2012

BDpress # 339 – OS HERÓIS QUE HERGÉ CRIOU POR ENCOMENDA – Eurico de Barros no Q.I. do DIÁRIO DE NOTÍCIAS + JÁ HÁ CARTAZ PARA O FESTIVAL DE BD DE BEJA 2012




OS HERÓIS QUE HERGÉ CRIOU POR

ENCOMENDA 

Por Eurico de Barros

Em 1936, a revista católica 'Coeurs Vaillants' pediu ao 'pai' de Tintin uma série para-as crianças e as famílias da classe média belga. E assim nasceu 'Jo, Zette et Jocko', que Hergé abandonaria apos três aventuras, divididas por cinco álbuns.

Uma edição integral da Casterman junta-os.

No início da década de 60, Hergé pediu ao seu colaborador e distinto autor de banda desenhada Bob de Moor que transformasse o argumento de Tintin, et le Thermozéro, uma aventura de Tintin que abandonara e que tinha a assinatura de Michel Greg (1), numa história da série Jo, Zette e Jocko, que se chamaria simplesmente Le Thermozéro. Hergé tinha vontade de retomar a série, cujo último álbum, La Vallée des Cobras, tinha saído em 1957, mas o projeto acabou por ser posto de parte porque Bob de Moor (2) teve de ajudar o criador de Tintin, a modernizar o álbum A Ilha Negra, e Hergé nunca mais voltou a pegar em Jo, Zette e Jocko.

Os cinco álbuns da série, que correspondem na realidade a três aventuras, já que as duas primeiras histórias foram remontadas, coloridas e divididas em quatro álbuns por razões editoriais, foram finalmente reunidos num só volume pela Casterman, intitulado Les Aventures de Jo, Zette et Jocko, e que inclui Le Testament de M. Pump e Destination NewYork (sob o titulo geral Le StratonefH 22), Le "Manitoba" ne pond Plus e L’Eruption du Karamako (sob o titulo geral Le Rayon du Mysre) e La Vallée des Cobras (esta chamou-se originalmente, nos anos 30, Jo et Zette au Pays du Maharadjah e a sua publicação ficou incompleta na altura). A esta edição falta, no entanto, o aparato histórico e crítico, bem como o material de arquivo que habitualmente encontramos nas "integrais" dos heróis da banda desenhada franco-belga, o que a empobrece aos olhos do leitor e do colecionador.

Ao contrário de Tintin, e de Popol e Virginie e Quick et Flupke, a série Jo, Zette e Jocko foi a única criada por Hergé que resultou de um pedido. Em 1936, os diretores da revista católica para jovens Coeurs Vaillants solicitaram a Hergé que pensasse na criação de uma aventura cujos protagonistas não vivessem, como Tintin, num vácuo familiar, biográfico e profissional, e com os quais as famílias e as crianças da classe média belga se pudessem identificar. Hergé recordou a Numa Sadoul (3), no seu livro de entrevistas Tintin et Moi, a génese de Jo, Zette e Jocko: "A direção da revista [Coeurs Vaillants] disse-me mais ou menos isto: 'Sabe, o seu Tintin não está nada mal, não senhor. Gostamos todos muito dele. Mas não ganha a vida, não vai a escola, não tem pais, não come, não dorme... Não é muito lógico. Não podia criar uma personagem cujo pai trabalhe, que tenha uma mãe, uma irmã, um animalzinho de estimação?".

Nessa altura, Hergé estava a fazer um trabalho publicitário para uma firma de brinquedos e tinha vários em casa para se inspirar. Entre eles estava um chimpanzé de peluche chamado Jocko. E foi a partir dele que o autor criou a família Legrand, composta pelo pai, engenheiro de profissão, pela mãe, dona de casa, pelos irmãos Jo e Zette, de 11e dez anos, respetivamente (vestem-se sempre da mesma maneira, a exemplo de Tintin e das outras personagens da sua "família"), e pelo chimpanzé Jocko, que fala consigo mesmo, tal como Milou, mas não com os humanos. Jo e Zette tiveram como antecedentes um duo de irmãos, Antoine e Antoinette, que Hergé criou para serem os heróis de seis pranchas publicitárias da marca de chocolates belgas Antoine, que não foram assinadas pelo autor nem datadas. Curiosamente, esta aventura publicitária levava como titulo... A Bola de Cristal. Antoine e Antoinette tinham também animais de estimação, um cão, Plouf (no qual se reconhecem traços de Milou), e um papagaio chamado Dropsy.

Segundo conta Benoît Peeters (4) no seu monumental Le Monde d'Herge, "apesar de toda a sua boa vontade, Hergé nunca se sentiu muito confortável com esta série, por causa da multiplicidade de constrangimentos que lhe eram impostas e da artificialidade da construção do conjunto". Hergé explicou assim a situação a Numa Sadoul, no livro citado: "Foi preciso antes de mais arranjar uma profissão ao pai, uma profissão que o fizesse viajar: muito bem, engenheiro servia bem. Mas, além disso, o papá e a mamã passavam a maior parte do tempo a soluçar e a interrogar-se sobre a sorte dos seus queridos filhos que desapareciam em todas as direções. Era então preciso fazer viajar toda a família: era uma maçada! Decidi então desistir... Tintin, pelo menos, é livre! Feliz Tintin! Recorda-me a frase de Jules Renard (5): 'Nem toda a gente tem a sorte de ser órfão'."                                                                                                                                    
Mesmo assim, Hergé ainda desenhou cinco aventuras de Jo, Zette e Jocko entre 1936 e 1954, sendo que a versão para álbum da última, La Vallée des Cobras, foi em grande parte da responsabilidade de Jacques Martin, o criador de Alix, com uma ajudinha de Bob de Moor.

Apesar de ter sido criada para a Coeurs Vaillants, a série passou depois para o suplemento juvenil Le Petit Vingtième, do diário Le Vingtième Siécle, a "casa" de Tintin, sendo mais tarde também publicada nas páginas do Tintin belga. Mesmo tendo em conta o enquadramento convencional em que surgiram, Jo, Zette e Jocko apresentam varias características interessantes, e as suas aventuras são uma combinação de elementos, personagens e situações feitas clássicas das histórias juvenis de banda desenhada da sua época, e do génio criativo de Hergé e das estruturas narrativas que ele privilegiava, e que se harmonizam de forma bem mais feliz do que alegam alguns dos que menosprezam esta série como sendo menor na obra do "pai" de Tintin.

'Les Aventures de Jo, Zette et Jocko'
de Hergé
Casterman, 272 págs.
TSBN-978-2-203-01611-8
23,75 euros, na amazon.fr


Mesmo dependendo da ajuda dos pais e dos adultos em geral para se saírem bem das complicações em que se envolvem, sempre relacionadas com a profissão do pai, Jo e Zette são também heróis inteligentes, voluntariosos e corajosos, que usam estas qualidades para levarem a sua avante, o que faz com que se desenvolva uma forte identificação entre eles e os leitores.

Tal como sucede nas histórias de Tintin, as de Jo, Zette e Jocko contêm elementos de aventura tradicional, de espionagem e de ficção científica, ambientando-se muitas vezes em regiões distantes. Benoît Peeters nota que nelas encontramos coisas para que Hergé "não arranjou espaço nas aventuras de Tintin". Mas há também outras que não estariam deslocadas nas histórias deste, nomeadamente a tecnologia (Le "Manitoba" ne Répond Plus e L'Eruption du Karamako são particularmente inventivos neste aspeto). E também o sentido de humor de Hergé e o seu gosto pelos gags bem concebidos estão por toda a parte nas aventuras de Jo, Zette e Jocko (ver tudo o que se refere à figura do milionário norte-americano Pump, fanático da velocidade e que acaba por ser vitima de si mesmo em Le Testament de M. Pump). E ainda, tal como Milou, também o chimpanzé Jocko se mete em confusões paralelas às dos seus donos, muitas vezes com outros animais. Hergé não resistiu a fazer pequenas piscadelas de olho ao universo de Tintin nas histórias de Jo, Zette e Jocko. Por exemplo, o observador mais atento não deixara de reparar no retrato do capitão Haddock pendurado na parede da sala da família Legrand em Le Testament de M. Pump.

Em 1972, a longa-metragem animada Tintin e o Lago dos Tubarões foi buscar ideias a Le "Manitoba" ne Réponds Plus e L'Eruption du Karamako. Em Portugal, Jo, Zette e Jocko chamaram-se Joana, João e o Macaco Simão, e estrearam-se na revista Zorro em 1964. As suas cinco aventuras, traduzidas como O Testamento do Sr. Pump, Destino Nova Iorque,O 'Manitoba' não Responde, A Erupção do Karamako e O Vale das Cobras, foram editadas pela Verbo na década de 80. Ao que parece, existe nos arquivos da Fundação Herge um esboço completo do álbum Le Thermozéro feito por Bob de Moor.

Notas:

(1) Michel Greg (193l-1999) foi um dos maiores argumentistas e autores da banda desenhada franco-belga, chefe de redação da revista Tintin e criador de personagens como Achille Talon.

(2) Colaborador muito próximo de Herge, Bob de Moor (1925-1992) era o pseudónimo do desenhador Robert Frans Marie de Moor, que terminou o álbum inacabado de E. P. Jacobs Mortimer contra Mortimer, da série Blake e Mortimer.

(3) Numa Sadoul (n. 1947) é o autor de vários livros de entrevistas com grandes autores de banda desenhada, caso de Hergé, Uderzo ou Franquin, bem como de obras sobre Gotlib e Moebius.

(4) Romancista, crítico e argumentista de banda desenhada, Benoît Peeters (n.1956) é o especialista na obra de Hergé, a que já dedicou vários livros.

(5) Jules Renard (1864-1910) foi um escritor e dramaturgo francês, cofundador da revista literária Mercure de France.

  

_____________________________________________________________

JÁ HÁ CARTAZ PARA 
O FESTIVAL DE BD DE BEJA 2012


_____________________________________________________________

JÁ AGORA
A FEIRA DO LIVRO 
DE LISBOA COMEÇOU HOJE

Na foto: a "cidade" LeYa...

_____________________________________________________________

imagens da responsabilidade do Kuentro

_____________________________________________________________

 
Locations of visitors to this page