domingo, 11 de março de 2012

BDpress #327: MORREU JEAN GIRAUD, O AUTOR QUE MAIS INFLUENCIOU OS CRIADORES DO SEU TEMPO – Carlos Pessoa no Público


MORREU JEAN GIRAUD, O AUTOR QUE MAIS INFLUENCIOU OS CRIADORES DO SEU TEMPO

 Público, 11 Março 2012

À excepção da série Forte Navajo, a sua vastíssima obra nunca foi popular. Mas o criador francês foi um autor de dimensão mundial e o primeiro grande desenhador do seu tempo

Carlos Pessoa

O desenhador e argumentista Jean Giraud morreu ontem de cancro em Paris, informou a família. Tinha 73 anos.

O autor de Blueberry, Incal e tantas outras criações de referência da banda desenliada franco-belga estava doente há dois anos e sabia-se que o seu actual estado de saúde era grave.

Apesar disso, a notícia foi recebida com muita tristeza no meio da BD. "Toda a profissão está em estado de choque, totalmente arrasada", declarou à AFP Gilles Ratier, secretário-geral da Associação de Críticos de BD. O desenhador François Boucq afirmou à mesma agência ter "perdido um verdadeiro grande amigo". Recordou o talento de Giraud como "mestre do desenho realista". Disse também que ele tinha um "real talento humorístico", do qual ainda dava boa prova junto das enfermeiras há 15 dias, quando o visitou no hospital.

Yves Frémion, um dos animadores da revista Papiers Nickelés, consagrada à "imagem popular", foi um dos primeiros a pôr a circular a notícia. As reacções de tristeza e perplexidade não se fizeram esperar. O crítico Gilles Ciment sintetiza bem o espírito dos comentários ao afirmar: "Perdemos de uma só vez um homem requintado e dois autores excepcionais. É terrível."

Os dois autores que coexistiram no mesmo criador eram Giraud e o seu "duplo" Moebius, surgido em 1969 - um nome que homenageava o cientista August Ferdinand Möbius, a quem se deve o oito deitado que é o símbolo do infinito. É com a primeira assinatura que surge a série western realista Forte Navajo. Com Moebius, irrompe na banda desenhada europeia a vertente fantástica e onírica da sua faceta criativa.

LONGA OBRA

Jean Giraud nasceu em Nogent-sur-Marne (França) a 8 de Maio de 1938. Entra para a Escola de Artes Aplicadas de Paris em 1954, assinando no ano seguinte algumas ilustrações na revista Fiction. Entre 1956 e 1958 publica as suas primeiras bandas desenhadas. Em 1958 conhece Jijé, com quem colabora num episódio da série Jerry Spring.

A sua criação mais popular é Forte Navajo (argumentos de Jean-Michel Charlier), que surge em 1963 na revista Pilote. Narra as aventuras de Mike Blueberry e constitui um dos mais bem conseguidos westerns da BD mundial.

Em 1969 Giraud cria o seu alter-ego Moebius, responsável pelas incursões no universo da science-fiction e do fantástico. O ponto de viragem é a criação, em 1975, da revista Metal Hurlant, na qual Giraud-Moebius participa ao lado de Jean-Pierre Dionnet, Pilippe Druillet e outros - o impacto no meio da banda desenhada é enorme.

Em 1978, conhece Alejandro Jodorowsky, cujo carisma e universo pessoais influenciam vivamente o artista francês. "Os problemas metafísicos interessavam-me muito", disse em 2008 ao jornal espanhol El País ao evocar essa colaboração.

Giraud deixa de beber e de fumar, adopta o regime alimentar vegetariano e os seus trabalhos passam a reflectir uma dimensão "espiritual" que não se exime a pincelar com um peculiar sentido de humor. O Incal (1980), Coeur Couronné (1992) e Depois do Incal (2000) são algumas das inúmeras criações comuns. Giraud-Moebius participa também em diversos projectos cinematográficos, entre os quais o desenho dos fatos de Alien (Ridley Scott) e de O Quinto Elemento (Luc Besson).

A obra de Giraud é vastíssima e muito diversificada, incluindo a ilustração de um episódio da série americana Silver Surfer (argumento de Stan Lee, 1988-89) e a colaboração com o artista japonês Jiro Taniguchi numa revisitação do mito de Ícaro (1997).

"ERA O MESTRE"

Com a morte de Jean Giraud desaparece um dos últimos ícones da BD mundial e uma referência absoluta de muitos autores de BD. É o caso do português Pedro Morais: "Ele era o Mestre!"

Conheceu-o em 1982, quando veio a Lisboa participar numa iniciativa de banda desenhada na antiga FIL. "Uma fotografia com ele tirada por um amigo continua na parede do meu atelier", acrescenta. Conserva a imagem de um homem "acessível e simpático". Mas sobretudo era um "giande artista que não tinha problemas em correr riscos ou usar as novas tecnologias".

O jornalista e crítico francês Laurent Mélikian não tem dúvidas em afirmar que Giraud-Moebius "teve uma enorme influência sobre muitos outros desenhadores". Paradoxalmente, disse ao PÚBLICO, "não era um autor popular, não era um Goscinny ou um Hergé". Mas a sua obra tem "uma importância capital e os seus desenhos têm uma vibração que dá gosto ver".

Para Didier Pasamonik, editor do Site ActuaBD, o criador francês foi um homem que "esteve em todas as grandes batalhas da banda desenhada". Lembra que Blueberry mudou a imagem do western na BD. Com Metal Hurlant, Giraud-Moebius esteve ligado à primeira experiência de auto-edição e "acompanhou o movimento contracultural". Foi também o primeiro "a ter uma dimensão artística espiritual" e influenciou" a BD japonesa, sobretudo Katsuhiro Otomo".

Pasamonik conclui: "Foi o primeiro grande autor de dimensão mundial, quando até ali o que havia era personagens, e o primeiro grande desenhador do seu tempo."


OBRA PUBLICADA PARCIALMENTE POR VÁRIOS EDITORES

Carlos Pessoa

A extensa obra de Jean Giraud-Moebius eslá parcialmente publicada em Portugal.

A série Forte Navajo foi publicada de forma sistemática (mas não integralmente) pela Moribcrica-Liber nos anos 1980-90. Uma edição produzida em parceria PÚBLICO-Asa colocou no mercado em 2008 mais uma série de 18 títulos.

Ainda com o selo da Meribérica-Liber, foi publicado em 1986 O Triunfo dos Porcos, adaptação à BD (por Jean Giraud e Marc Bati) da obra homónima de George Orwell.

Pela mão da Futura, o público português travou o primeiro contacto em 1986 com a série O Incal, assinada por Jodorowski (argumento) e Moebius (desenho): O lncal Negro, O Incal Luminoso, O Que Está em Baixo e O Que Está no Alto.

Outros títulos de Moebius foram editados pela Meribérica-Liber que, aliás, retomaria a série O Incal na década de 1990: é o caso, por exemplo, de Escala em Pharagonésia (1991), A Deusa (1992), A Cidadela Cega (1993), Stel (1994) O Homem do Ciguri (1996) e Depois do Incal (2002).

As Edições Asa, por seu lado, também publicaram títulos de Moebius, entre eles Sra (2002) e Arzach (2003).








____________________________________________________________

SOBRE MOEBIUS CONTINUAREMOS AMANHÃ, COM O RECORTE DE UM TEXTO DE JOÃO MIGUEL LAMEIRAS PUBLICADO NO BDjornal #27: TRANSEFORME - AS METAMORFOSES DE MOEBIUS NA FUNDAÇÃO CARTIER e NA TERÇA-FEIRA A BIOGRAFIA DO AUTOR

Imagens da responsabilidade do Kuentro

____________________________________________________________


 
Locations of visitors to this page