sábado, 10 de Março de 2012

HOJE MORREU MOEBIUS (JEAN GIARAUD) EM PARIS E... NO PORTO COMEÇOU O MAB – I FESTIVAL INTERNACIONAL DE MULTIMÉDIA ARTES E BD (8)...

Iniciou-se hoje o MAB – I FESTIVAL INTERNACIONAL DE MULTIMÉDIA ARTES E BD – PORTO 2012. Precisamente no dia em que morreu Jean Giraud – Gir – Moebius (1938 – 2012). É galo! A notícia da Morte de Moebius, ao pesquisar elementos gráficos para ilustrar este post sobre o MAB, deixou-me indeciso sobre o que postar aqui hoje. Decidi continuar com o Festival de Multimédia, Artes e Banda Desenhada, deixando para amanhã algo mais elaborado sobre o criador de Blueberry (com Charlier), Arzak, o Incal, etc...

Jean Henri Gaston Giraud (Gir - Moebius) - 8 de Maio de 1938 - 10 de Março de 2012

Sobre o MAB fica aqui o recorte do texto de José Marmeleira, no Público de hoje, sobre o Festival.

Público, 10 Março 2012

DUAS AUTORAS QUE ABREM BRECHAS NA BANDA DESENHADA

José Marmeleira

O MAB está este fim-de-semana e no próximo nas Belas-Artes do Porto; é o regresso da BD à cidade, 11 anos depois.

O MAB, que assinala o regresso dos festivais de BD ao Porto, depois do fim do Salão Internacional, em 2001, apresenta dois nomes incontornáveis da BD contemporânea: Anke Feuchtenberger (n. 1963, Berlim Oriental) e Dominique Goblet (n. 1967, Bruxelas), que pouca ou nenhuma banda desenhada leram durante a infância. Importante? É.

Mesmo para muitos conhecedores de BD, serão assinaturas anónimas. Mas não são debutantes. Surgidas nos anos 1990, publicaram nas mais distintas editoras alternativas da Europa. F. ergueram um corpo de trabalho que rejuvenesceu esta arte visual, subvertendo imperativos comerciais. O erro, a experimentação e a liberdade estilística serviram esse fim. E continuam a servir.

Não espanta, por isso, a ruptura com tradição franco-belga. Vêm do exterior do mundo da BD. Depois de estudar ilustração em Bruxelas, Goblet encontrou no colectivo Fréon campo aberto para experimentar as relações entre texto e ima gem, aproximando a BD das artes plásticas. Tem interrogado as convenções e códigos da primeira, ora impondo-a à pintura ora usando esta última para nutrir as suas histórias. Tem explorado as relações humanas, a memória, a família, entre a autobiografia e a ficção, recorrendo a vários estilos e técnicas e, com frequência, à colaboração de Guy Mare Hinant.

Tal como ela, Feuchtenberger não leu BD durante a infância e parte da adolescência. Em Berlim Oriental, não tinha acesso a publicações do género. A sua carreira começou pelas pinturas murais, os posters eograffiti, antes de introduzir ao público, em 1993, as histórias de Die Hure H, figura e corpo feminino indefinível que habita lugares onde o quotidiano e o onírico se fundem. O medo, a dominação, a violência, a maternidade, o sexo são "assuntos" possíveis e os textos, de Katrin de Vries, acentuam a multiplicação de sentidos.

Nos últimos anos, o desenho a carvão tem enegrecido a construção de protagonistas e ambientes. Sem esconder a luz, enquanto a voz de um narrador exclui os balões.

Se Goblet explora as interações entre os indivíduos (num casal, numa família, numa relação mãe-filha), Feuchtenberger desenha histórias do corpo feminino. E as duas abrem brechas no corpo da banda desenhada.


___________________________________



Sem comentários:

Enviar um comentário

 
Locations of visitors to this page