quarta-feira, 21 de março de 2012

CNBDI – ÀS QUINTAS FALAMOS DE BD – CONSTRUÇÕES DE ARMAR – HOMENAGEM A ANTÓNIO VELEZ

CONSTRUÇÕES DE ARMAR 
HOMENAGEM A ANTÓNIO VELEZ

Os encontros no CNBDI continuam a marcar presença, agora na última quinta-feira de cada mês.

Assim, no dia 29 de Março, pelas 21h00, no Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem terá lugar mais uma edição de Às Quintas Falamos de BD, com o encontro Construções de Armar - Homenagem a António Velez.

Para a ocasião Dâmaso Afonso e José Ruy recuperaram a única entrevista conhecida de António Velez. São 11 minutos que reconstituem o significado e a memória das construções de armar em Portugal e o pretexto para mais um encontro no CNBDI.

Na última quinta-feira do mês convidamo-lo a tomar café connosco.



______________________________________________________

QUEM FOI ANTÓNIO VELEZ

Entre os muitos desenhadores que fizeram construções de armar, destacamos alguns como Calvett de Magalhães, Jorge Barradas, Fernando Bento, António Cardoso Lopes "Tiotóino", Eduardo Teixeira Coelho e José Garcês, com um bom curriculum de maravilhosas construções.

Porém um desenhador houve, que sem o ser de banda desenhada, sobressaiu e ficou na memória de todos que liam e apreciavam os jornais infantis, António Velez.

António Coelho Velez nasceu em Vila Viçosa em 3 de Julho de 1921. Filho de família abastada, a avó era Morgada e o avô foi várias vezes presidente da câmara de Vila Viçosa ao tempo de EI-Rei D.Carlos, deixando vários melhoramentos nesta vila, entre os quais a Praça de Touros.

Velez foi criado em casa dos avós, onde existiam imensas construções de armar de origem francesa, da qual recorda... uma estrada em espiral subindo um monte em cujo cimo se erguia um convento ou castelo. Faz o exame de admissão em Évora e aos 12 anos deixa o Alentejo e fixa residência nos arredores de Lisboa aonde o pai comprara uma quinta.

Continua a admirar tudo que é construção de armar e mais uma vez fica-lhe na memória aquela que fora feita referente ao cortejo histórico, em que nos coches as próprias rodas rodavam.

Vai para Desenhador da Função Pública, mas o "bichinho" das construções não o larga e um dia apresenta-se no jornal infantil o Mosquito com a construção de "O Mosquito Voador", Cardoso Lopes gostou e propõe-lhe outro tipo de construção. Assim, já no formato pequeno, no nº 325 de 2.5.42 começa a ser publicada "Uma Azenha" com a curiosidade de a roda ser movida por meio de areia. O interesse desta construção foi tão grande que, quando Velez apresentou a mesma já construída na Papelaria Fernandes do Largo do Rato, não a deixaram já sair, colocando-a em exposição na montra. A partir daqui começou a sua imensa actividade nesta arte que tão grande prazer deu a todos aqueles que tiveram o privilégio de a poderem realizar.

Nos anos 60 Velez compra uma "Multilit", offset de pequeno formato, e passa a imprimir ele próprio as construções já em cartolina, o que era uma novidade.

Após alguns anos de relativa calmaria devido a ausência de compradores, o Ministério da Educação encomenda-lhe uma série de construções dedicadas às Casas Regionais Portuguesas para serem distribuídas pelos imigrantes. Muitos deles acabam por fazer as suas casas baseadas nessas construções. (Velez pediu conselhos e autorização ao arquitecto Raul Lino para usar alguns dos seus projectos para a realização das mesmas). Mais tarde, também muitas escolas compram estas construções de armar para as suas aulas de actividades plásticas. Posteriormente distribui-as por lojas, para possibilitar a sua compra aos interessados.

No entanto, entre a feitura das construções de armar a sua fértil imaginação não pára. O dinheiro que por elas recebe emprega-o em um outro tipo de actividade, inventos que projecta e constrói, como por exemplo:

- Dois barcos em madeira.
- Um overcraft movido por dois motores com rotações contrárias, um relativamente ao outro, e em que a almofada de ar era conseguida por meio de quatro câmaras-de-ar de pneus. Com os amigos vai fazer o seu ensaio na pista da Base Área de Sintra. Um aviador que vira do céu aquele objecto a deslizar na pista, ao aterrar correu para o local para saber o que era aquela gemada que deslizava na pista. O overcraft era pintado de amarelo. Isto nos anos a seguir ao término da grande guerra.
- Constrói uma estufa orientável para o sol, para a secagem de frutos. (Velez foi toda a vida um vegetariano).
- Adapta uma motoreta "acelera" para o ajudar nos trabalhos da sua propriedade.
- Modifica o automóvel inventado por SINCLAIR, o inventor do computador Spectrum, adaptando-lhe um tejadilho. (Sinclar quis com este automóvel criar um veículo de cidade, não poluente, de fácil aparcamento, simples de guiar e sem carta de condução. É baseado no carro brinquedo das crianças, e pouco maior, levando apenas um adulto. Movido a pedais, tem uma bateria para ajudar nas subidas. O seu guiador é do tipo das motas ou bicicleta, simplesmente o condutor põe as pernas por cima dele. Bastante fácil de conduzir esta invenção de Sinclair acabou por o levar à falência).

António Velez faleceu em 27 de Dezembro de 2000.

António Velez (3 de Julho de 1921 - 27 de Dezembro de 2000)

António Velez e Dâmaso Afonso

O overcraft...

Velez no tal automóvel  - veículo de cidade - referido no texto

Página de "O Cuco" - Suplemento do Diário do Sul sobre Banda Desenhada, de Dâmaso Afonso, onde foi publicada a entrevista que vai ser amanhã apresentada no CNBDI. Para realizar a entrevista, Dâmaso Afonso foi acompanhado por José Ruy, que era amigo de Velez.


Texto biográfico e imagens cedidas gentilmente por Dâmaso Afonso

______________________________________________________



 
Locations of visitors to this page